Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Homero / Ilíada

... faltam algumas partes!
EM CONSTRUÇÃO...
c
Μῆνιν ἄειδε θεὰ Πηληϊάδεω Ἀχιλῆος
οὐλομένην, ἣ μυρί' Ἀχαιοῖς ἄλγε' ἔθηκε,
πολλὰς δ' ἰφθίμους ψυχὰς Ἄϊδι προΐαψεν
ἡρώων, αὐτοὺς δὲ ἑλώρια τεῦχε κύνεσσιν
οἰωνοῖσί τε πᾶσι, Διὸς δ' ἐτελείετο βουλή,
ἐξ οὗ δὴ τὰ πρῶτα διαστήτην ἐρίσαντε
Ἀτρεΐδης τε ἄναξ ἀνδρῶν καὶ δῖος Ἀχιλλεύς.
Ilíada 1.1-7

Canta, ó deusa, a cólera de Aquiles, filho de Peleu,
funesta, que inumeráveis dores aos Aqueus causou
e muitas valorosas almas de heróis ao Hades
lançou, e a eles tornou presa de cães
e de todas as aves de rapina; cumpriu-se o desígnio de Zeus,
o qual desde o princípio separou em discórdia
o filho de Atreu, senhor de guerreiros, e o divino Aquiles.

 
 
Aquiles

A Ilíada (gr. Ἰλιάς) é a mais antiga e a mais extensa das obras atribuídas ao lendário poeta Homero e é também o mais antigo texto literário da literatura europeia. O nome do poema deriva de Ílion, nome alternativo da mítica cidade de Troia, que possivelmente corresponde ao nível VIIa da antiga cidadela descoberta em Hisarlik, Turquia, por Schliemann[1].

Acredita-se que a Ilíada tenha sido originalmente uma composição oral, memorizada e recitada em ocasiões especiais, composta entre -750 e -725 (Janko, 1982) a partir de lendas e de memórias do Período Micênico e da Idade das Trevas. Somente no fim do século -VI, dois séculos mais tarde, os versos foram finalmente colocados na forma escrita.

O poema era uma das obras mais apreciadas da Antiguidade, constantemente citada por filósofos e outros eruditos, e exerceu enorme influência tanto na literatura romana quanto na cultura ocidental como um todo.

sumário
  1. Argumento básico
  2. Dialeto e linguagem
  3. Cenário e personagens
  4. Os gregos
  5. Os troianos
  6. Estrutura do poema
  7. Resumo: livros I-IV
  8. Resumo: livros V-XIV
  9. Resumo: livros XV-XXIV
  10. Manuscritos e edições
  11. Traduções

Argumento básico

O assunto do poema, retirado das lendas do Ciclo Troiano, cobre apenas alguns dias do décimo ano da Guerra de Troia. O tema principal é a cólera do herói Aquiles que, afrontado por Agamêmnon, filho de Atreu, o comandante do exército grego, retira-se da luta. Privados do auxílio de seu mais poderoso combatente, os gregos sofrem revés sobre revés e são acuados pelos troianos junto às próprias naus. No último momento, porém, Aquiles se reconcilia com Agamêmnon e, de volta ao combate, ajuda a rechaçar o inimigo e mata o mais importante guerreiro troiano.

Observe-se, na invocação inicial do poema reproduzida na epígrafe, o enorme poder de síntese do poeta da Ilíada que, em apenas sete linhas, fez a invocação regulamentar às musas e, de quebra, apresentou o argumento básico do poema. Ou seja, resumiu mais de 15.000 versos em sete.

Dialeto e linguagem

Dado o caráter oral da composição e da transmissão do poema em vários locais dos antigos territórios gregos, a linguagem da Ilíada se tornou uma grande mistura de dialetos antigos, chamada convencionalmente de linguagem homérica. Essa linguagem naturalmente nunca foi utilizada por nenhuma comunidade grega e tem apenas expressão literária.

Os dialetos são o ático, o jônico e o árcado-cipriota; não há sinal de palavras ou expressões do dialeto dórico.

[ texto inacabado... ]

Cenário e personagens

A ação transcorre na sitiada cidadela de Troia e arredores, e no acampamento dos gregos, que fica bem próximo, entre a cidadela e as naus ancoradas. Algumas cenas se passam no Olimpo, morada dos deuses, e nas montanhas próximas de Troia.

A quantidade de personagens da epopeia é enorme; uma estimativa conservadora chegaria a duas ou três centenas, pelo menos, entre deuses, heróis, mulheres e participantes incidentais, muitos sem nome.

Os deuses têm importante participação em todos os episódios do poema e interagiam frequentemente com os personagens humanos; alguns chegaram ao ponto de lutar em diversas batalhas. Do lado dos gregos, estavam Atena, Hefesto, Hera e Posídon; do lado dos troianos, Afrodite, Apolo, Ártemis e Ares. Zeus trabalhou, em diferentes momentos, a favor dos gregos ou dos troianos.

A lista a seguir contempla apenas os heróis e personagens humanos mais relevantes.

Os gregos

Aquiles chefe dos mirmidões, filho de Peleu, rei da Ftia, e da nereida Tétis Agamêmnon comandante dos gregos, rei de Micenas e irmão de Menelau Ájax, o maior primo de Aquiles, filho de Télamon, rei de Salamina Ájax, o menor filho de Oileu, rei dos Lócrios Antíloco filho de Nestor, rei de Pilos Calcas adivinho que acompanhava os gregos Diomedes rei de Argos, filho de Tideu Fênix preceptor de Aquiles Idomeneu rei de Creta, neto de Minos Menelau ex-marido de Helena, rei de Esparta, irmão de Agamêmnon Nestor o mais idoso dos gregos, rei de Pilos, pai de Antíloco Odisseu rei de Ítaca Pátroclo um dos mirmidões, fiel amigo de Aquiles Teucro irmão de Ájax, filho de Telamon, rei de Salamina

Os troianos

Alexandre / Páris filho de Príamo, irmão de Heitor e Cassandra, marido de Helena Andrômaca esposa de Heitor Cassandra adivinha, filha de Príamo, irmã de Heitor e de Alexandre Eneias filho de Anquises e Afrodite, primo de Heitor, Cassandra e Alexandre Glauco guerreiro lício, neto de Belerofonte Hécuba esposa de Príamo Heitor filho mais velho de Príamo, irmão de Alexandre Helena filha de Zeus e Leda, ex-esposa de Menelau, esposa de Alexandre Pândaro guerreiro lício Príamo rei de Troia, marido de Hécuba, pai de Alexandre, Heitor e Cassandra Sarpedon guerreiro lício, filho de Zeus

Estrutura do poema

A Ilíada tem um total de 15.693 versos hexâmetros e se divide artificialmente em 24 Livros ou Cantos de tamanho desigual, identificados pela tradição manuscrita com as letras maiúsculas do alfabeto grego (Α, Β, Γ, Δ, Ε, Ζ, Η, etc.). O texto ocupa cerca de 440 páginas da edição de Allen (1931), utilizada aqui, distribuídas em três volumes.

Poderíamos separar o poema em numerosos episódios, mais ou menos autônomos, sempre narrados por Homero, embora muitas vezes ele dê voz aos personagens para que contem suas histórias. Eis uma visão panorâmica da sequência de episódios, de acordo com o agrupamento dos versos divididos em livros:

I-IV Invocação, argumento do poema e restabelecimento das causas da guerra V-VII Aristeía de Diomedes, Heitor e Ájax VIII-X Recuo dos gregos e apelo a Aquiles X A doloneia XI-XV Os gregos diante da derrota XVI-XVII Aristeía e morte de Pátroclo XVIII-XXII A volta de Aquiles e a morte de Heitor XXIII Os funerais de Pátroclo XXIV O resgate do cadáver de Heitor

A Ilíada é marcada, do livro II até o livro XVII, pela ausência de Aquiles e, depois disso, por sua avassaladora participação nas batalhas. Alguns comentadores antigos, por causa disso, costumavam dizer que o poema era mais uma história sobre a Cólera de Aquiles do que uma Ilíada, uma história de Ílion.

Resumo: livros I-IV

Os primeiros quatro livros da Ilíada se caracterizam por um restabelecimento ou recordação das causas da guerra, tanto no plano divino como no plano humano. Os eventos se passam, de certa forma, como se a guerra não tivesse começado há nove anos.

Após a invocação à musa e a enunciação do argumento do poema (1.1-7), o poeta atribui a praga que assola o acampamento grego ao tratamento grosseiro dispensado por Agamêmnon, chefe das forças gregas, a Crises, sacerdote de Apolo (1.8-53), que viera oferecer digno resgate em troca da filha escravizada. Na assembleia, desentendem-se Agamêmnon e o mais poderoso guerreiro grego, Aquiles, por causa de outra cativa, Briseida; ferido em sua honra de guerreiro, Aquiles retira-se da luta (1.308-348) e implora a Tétis, sua mãe, que interceda junto a Zeus para que os aqueus lamentem sua falta (1.349-430). Depois de um sacrifício a Apolo e da devolução de Criseida, filha de Crises, a praga cessa (1.431-492).

Enquanto isso, no Olimpo, Tétis suplica em prol do filho e obtém de Zeus uma solene promessa (1.493-532); Zeus e Hera se desentendem, mas são apaziguados por Hefesto (1.533-611). Zeus envia então um sonho enganador a Agamêmnon (2.1-40) que, acreditando estar próxima a vitória, convoca uma assembleia (2.41-143) e propõe-se a testar o moral da tropa, acenando com o pronto retorno à Grécia. O exército inicia uma debandada, contida por Odisseu e, de certo modo, pelo velho e sábio Nestor (2.144-393). Oferece-se um sacrifício a Zeus e há uma simbólica reconvocação dos combatentes (2.394-483): após outra invocação à musa (2.484-493), o poeta enumera os 29 grupos de combatentes gregos, suas cidades de origem, os heróis que os lideram e o número de navios que os trouxeram ("catálogo das naus", 2.494-785). As forças troianas são, a seguir, igualmente catalogadas (2.786-877).

Os dois exércitos se posicionam frente a frente; Páris, ao ver Menelau, assusta-se e é duramente reprovado por Heitor (3.1-75); propõe, então, um duelo individual com Menelau, prontamente aceito por ambas as partes (3.78-120). Enquanto isso, do alto da muralha de Troia, Helena identifica para o rei Príamo os principais chefes gregos ("teicoscopia", 3.121-244). Após um sacrifício, dá-se o duelo, vencido por Menelau (3.245-379); Afrodite, porém, salva Páris e o coloca em seu quarto, para onde Helena é também conduzida (3.380-448). Menelau enfurece-se (3.449-461) e, enquanto isso, os deuses decidem fazer com que a luta prossiga (4.1-72). Por instigação de Hera e de Atena, um arqueiro troiano fere Menelau (4.73-187), prontamente tratado pelo médico-guerreiro Macáon (4.188-219).

Agamêmnon passa novamente as tropas em revista e instiga os outros heróis à luta (4.220-418). Gregos e troianos começam, finalmente, a lutar, mas a batalha termina completamente equilibrada (4.419-544).

Resumo: livros V-XIV

Veja, por enquanto, uma pequena lista dos episódios mais notáveis desses livros.

  • As proezas de Diomedes (V-VI)
  • O encontro de Diomedes e Glauco (VI)
  • O adeus de Heitor e Andrômaca (VI)
  • O duelo de Heitor e Ájax (VII)
  • A embaixada a Aquiles (IX)
  • A Doloneia (X)
  • A batalha junto à muralha (XII)
  • O engano de Zeus (XIV)

[ em andamento... ]

Resumo: livros XV-XXIV

Veja, por enquanto, uma pequena lista dos episódios mais notáveis desses livros:

  • Os troianos atacam o acampamento grego (XV-XVI)
  • Proezas e morte de Pátroclo (XVI-XVII)
  • A nova armadura de Aquiles (XVIII)
  • A batalha dos deuses (XX)
  • A luta entre Aquiles e o rio (XXI)
  • Os jogos fúnebres em honra de Pátroclo (XXIII)
  • O resgate do cadáver de Heitor (XXIV)

[ em andamento... ]

Manuscritos e edições

A Ilíada, ao lado da Bíblia, possui uma das mais extensas tradições manuscritas e papirológicas conhecidas. Ela remonta possivelmente ao Período Helenístico, porém os mais antigos papiros com passagens do poema datam do século II, aproximadamente.

Eis uma pequena lista dos manuscritos mais importantes: Venetus A (Marcianus gr. 454 = 882, sæc. X) e Marcianus gr. 453 (sæc. XI), da Biblioteca de São Marcos em Veneza; Laurentianus gr. xxxii,3 (sæc. XI) e xxxii,15 (sæc. XI/XII), da Biblioteca Laurenciana de Florença; o Genevensis gr. 44 (sæc. XIII), de Genebra; o Lipsiensis 32 (sæc. XIV), de Leipzig; o Londinensis Townleianus 86 (1059), de Londres; e o Athous Vatopedi 592 (sæc. XV), da Biblioteca do Monastério de Vatopedi (Monte Athos).

A editio princeps é a de Demetrius Chalcondyles, Florença (1488), em dois volumes; seguiram-na a Aldina (1504, 1517 e 1524), de Veneza, e a Juntina (1519), de Florença. A edição de Genebra de 1566 (de Henri Estienne) tornou-se a Vulgata[2] do texto (Aubreton, 1968).

As modernas edições da Ilíada são numerosas; as mais importantes são a de Dindorf (1826 e 1855), a de Pierron (1869/1883), a de Ludwich (1889/1907), a de Ameis, Hentze e Caer (1883/1927), a de Monro e Allen (1901/1908) — adotada aqui —, a de Leeuwen (1917), a de Mazon (1937/1938), a de van Thiel (1996) e, finalmente, a de West (1998).

Traduções

A Ilíada é uma das obras gregas mais traduzidas para o português. As traduções mais antigas são as de José Maria da Costa e Silva (1811 e 1830), João Félix Pereira (1891) e Manuel Odorico Mendes (1874); as mais recentes, as de Carlos Alberto Nunes (1962), Eusébio Dias Palmeira (1999), Haroldo de Campos (2002) e Frederico Lourenço (2005).

Há também grande quantidade de traduções de episódios e de livros isolados em coletâneas, periódicos e livros didáticos portugueses e brasileiros, sem contar dissertações de mestrado e teses de doutorado.

Outras iluminuras

 
O vaso dos guerreiros.
 
Páris e Helena.
 
No Olimpo, Atena serve vinho a Héracles.
 
Lamentação e cortejo fúnebre II.
 
Odisseu, Dólon e Diomedes.
 
Apolo Sauroctonos.
 
Elmo recoberto de presas de javali.
 
Tétis, Hefesto e as novas armas de Aquiles.
 
A disputa de Aquiles e Agamêmnon.
Beauvais, Museu de Oise
 
Manuscrito Venetus A da Ilíada de Homero.
 
Trecho da Ilíada.
 
Aquiles oferece um sacrifício a Zeus.
Milão, Biblioteca Ambrosiana

Notas

  1. O alemão Heinrich Schliemann (1822/1890) foi o primeiro a descobrir em Troia, Micenas, Tirinto, Ítaca e Orcômeno os vestígios da Grécia pré-histórica. Embora não fosse arqueólogo profissional, era dotado de pertinência e entusiasmo; sua intenção era comprovar, através das escavações arqueológicas, a veracidade das lendas descritas por Homero em seus poemas. A despeito dos sucessos, tinha a tendência de romantizar e identificar seus achados com personagens da Mitologia Grega. Batizou, por exemplo, de “tesouro de Príamo” um conjunto de joias encontrado em Troia II e de “máscara de Agamêmnon” uma máscara mortuária encontrada em Micenas. Quando escavou em Orcômeno, na Beócia, descobriu um tipo de cerâmica até então desconhecido e a atribuiu aos mínios, povo lendário ligado a essa cidade. Mais informações → Heinrich Schliemann.
    Imagem: Foto de 1883. S. Kohn. Fonte: Gallica. pd.
  2. A Vulgata propriamente dita é a tradução da Bíblia para uma forma simplificada do latim, realizada por São Jerônimo em meados do século IV; o nome vem da expressão versio vulgata, ‘versão vulgar / comum’ e ess tradução foi adotada pela Igreja Católica para uso universal durante o Concílio de Trento (1545-1563). Em nossos dias, usa-se também essa palavra em referência à versão mais difundida de determinados textos.

Referências

Richard Janko, Homer, Hesiod and the Hymns: Diachronic Development in Epic Diction, Cambridge, Cambridge University Press, 1982. Robert Aubreton, Introdução a Homero. São Paulo: Difusão Européia do Livro e EdUSP, 21968. Thomas W. Allen, Homeri Ilias, 3 v. Oxford Clarendon Press, 1931.

Leitura complementar brpt

André Malta Campos, O Resgate do Cadáver, o último canto d'A Ilíada, São Paulo, Humanitas, 2000. Eugène Lassere, Homero. Ilíada, trad. O.M. Cajado, São Paulo: Círculo do Livro, 1982. Carlos Alberto Nunes, Homero. Ilíada, São Paulo, Melhoramentos, s/d (1ª ed. = 1962). Frederico Lourenço, Homero. Ilíada, Lisboa, Cotovia, 2005.

Créditos das ilustrações

i0344Aquiles → Ver comentários.
i0111O vaso dos guerreiros → Ver comentários.
i0760Páris e Helena → Ver comentários.
i0570No Olimpo, Atena serve vinho a Héracles → Ver comentários.
i0478Lamentação e cortejo fúnebre II → Ver comentários.
i0758Odisseu, Dólon e Diomedes → Ver comentários.
i0288Apolo Sauroctonos → Ver comentários.
i0743Elmo recoberto de presas de javali → Ver comentários.
i0282Tétis, Hefesto e as novas armas de Aquiles → Ver comentários.
i0742A disputa de Aquiles e Agamêmnon → Ver comentários.
i1083Manuscrito Venetus A da Ilíada de Homero → Ver comentários.
i0259Trecho da Ilíada → Ver comentários.
i0566Aquiles oferece um sacrifício a Zeus → Ver comentários.

Em outras partes do Portal

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0387
iniciado em 12/07/2001.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Homero / Ilíada. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0387. Consulta: 25/03/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 19/02/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017