Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Afrodite

μοῦσά μοι ἔννεπε ἔργα πολυχρύσου Ἀφροδίτης,
Κύπριδος, ἥτε θεοῖσιν ἐπὶ γλυκὺν ἵμερον ὦρσεν
καί τ' ἐδαμάσσατο φῦλα καταθνητῶν ἀνθρώπων
οἰωνούς τε διειπετέας καὶ θηρία πάντα,
ἠμὲν ὅσ' ἤπειρος πολλὰ τρέφει ἠδ' ὅσα πόντος·
h. Ven. 5.1-5

Conta-me, musa, as façanhas da dourada Afrodite,
a Cíprica, que inspirou nos deuses o doce desejo
e conquistou as raças de homens mortais,
as aves do céu, todos os numerosos animais
que a terra nutre, e todos os do mar.

 
 
Afrodite Calipígea

Afrodite (gr. Ἀφροδίτη) era a deusa do amor e da beleza sensual, mais especificamente do amor carnal. Era capaz de seduzir a todos, deuses ou mortais...

Para os gregos, Afrodite era a própria personificação do desejo, do amor e do prazer sensual. Sua origem é bastante controvertida, e pode remontar à época micênica. Há também nítidas semelhanças entre Afrodite, a Istar-Astarte semita e a grande-mãe neolítica, senhora dos animais e símbolo da fertilidade.

Há duas versões correntes para o nascimento de Afrodite. A versão mais antiga é provavelmente a divulgada por Hesíodo, que a dá como filha de Urano; a mais recente, mencionada por Homero, Eurípides e Pseudo-Apolodoro, relata ser ela filha de Zeus e Dione.

O local de seu nascimento pode ter sido a ilha de Citera, ao sul do Peloponeso, ou Chipre; daí ela ser frequentemente chamada de Citereia ou de Cípris.

Mitos

Embora casada com Hefesto, o deus do fogo, Afrodite teve pelo menos dois amantes notáveis: Ares, o deus da guerra, e Anquises, um descendente de Trós, o primeiro rei de Troia. De sua ligação com Ares nasceram Eros, o deus que desperta paixões em homens e deuses com suas flechas; Fobos e Deimos, o medo e o pavor; e a bela Harmonia. De Anquises nasceu o herói troiano Eneias, considerado pelos romanos ancestral de Rômulo e Remo, os míticos fundadores de Roma. Em mitos tardios, atribui-se também a ela a maternidade do deus Príapo, divindade de origem asiática que possuía enorme falo e era associada a rituais dionisíacos.

Afrodite é personagem de numerosas lendas, e eram especialmente notórias suas vinganças quando não era reconhecida ou era menosprezada por alguém. Exceção à regra é a sua participação na lenda de Pigmalião. Além dessa lenda, a do Julgamento de Páris, a de Adônis, a de Psiquê e a de Teseu e Hipólito, o episódio mais famoso é o da rede de Hefesto, contado por Homero (ver outras partes do Portal, abaixo).

Afrodite e Ares expostos

Tendo finalmente descoberto os amores de Ares e Afrodite, graças a uma informação de Hélio, o sol, Hefesto decidiu vingar-se. Armou em volta de seu leito uma rede invisível e inquebrável, e na primeira oportunidade a armadilha se fechou e prendeu os dois amantes. Hefesto chamou então os outros deuses que, ao verem Ares e Afrodite naquela situação embaraçosa, soltaram "uma gargalhada inextinguível" (Od. 8.326).

Instado por Posídon — o único que não ria —, Hefesto libertou os dois amantes e eles partiram, envergonhados. Ares foi para a Trácia, provavelmente para se distrair com alguma guerra; Afrodite foi para Chipre. De acordo com o malicioso Homero, ela só pensava em trocar de roupa e refazer a toalete...

Representações e culto

Nos Períodos Arcaico e Clássico Afrodite era representada como uma mulher bela e jovem, sempre vestida, às vezes com um certo ar lânguido que apenas insinuava seu status de deusa do amor. A partir do fim do Período Clássico, após a Afrodite de Cnidos, famosíssima escultura de Praxíteles, passou a ser mostrada com formas voluptuosas, nua ou sumariamente vestida, em poses nitidamente provocantes. Nas pinturas de vasos, no entanto, quase sempre aparecia vestida.

Eros, as ninfas e as Cárites eram com frequência representados em sua companhia; a pomba era o animal habitualmente associado a ela.

Afrodite era cultuada em toda a Grécia. Os santuários mais famosos ficavam em Pafos, Chipre, Citera e Corinto; da época romana em diante, também no Monte Érix, Sicília.

Outras iluminuras

 
Assembleia dos deuses.
Museu Arqueológico de Delfos
 
O nascimento de Afrodite I.
Roma, Museu Nacional Romano (Palácio Altemps)
 
A Afrodite de Cnido.
Museu de Arte e História de Genebra
 
Héracles, Hera, Afrodite e Íris.
 
Marte e Vênus unidos pelo Amor.
 
Afrodite, Pã e Eros.
 
Letra decorada com Afrodite, Ares e Eros.
Veneza, referência desconhecida
 
Afrodite (?) cavalgando um bode.
 
Lécito em forma de Afrodite.
São Petersburgo, Museu Estatal Hermitage
 
O Nascimento de Vênus.

Créditos das ilustrações

i0807Afrodite Calipígea → Ver comentários.
i0397Assembleia dos deuses → Ver comentários.
i0008O nascimento de Afrodite I → Ver comentários.
i0456A Afrodite de Cnido → Ver comentários.
i0444Héracles, Hera, Afrodite e Íris → Ver comentários.
i0287Marte e Vênus unidos pelo Amor → Ver comentários.
i0279Afrodite, Pã e Eros → Ver comentários.
i0079Letra decorada com Afrodite, Ares e Eros → Ver comentários.
i0875Afrodite (?) cavalgando um bode → Ver comentários.
i0871Lécito em forma de Afrodite → Ver comentários.
i0913O Nascimento de Vênus → Ver comentários.

Em outras partes do Portal

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0179
publicado em 26/06/1999.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Afrodite. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0179. Consulta: 17/08/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017