logo

Os poemas cíclicos

Seção: literatura grega910 palavras
Ἐπικὸς Κύκλος Cyclus epicus

Além da Ilíada e da Odisseia, que chegaram até nós na íntegra, muitos outros poemas épicos foram criados durante o Período Arcaico e chegaram até nós em fragmentos.

Os poemas homéricos não cobrem todos os eventos associados à Guerra de Troia e ao retorno dos heróis logo depois do conflito. Acredita-se, por isso, que vários poemas foram criados para preencher lacunas, isto é, descrever e complementar temas mencionados, mas não tratados em detalhe por [Homero].

Comparativamente mais curtos e de autoria e datação difíceis de determinar, esses poemas do ciclo épico, ou poemas cíclicos, sobreviveram em estado altamente fragmentário ou através de breves resumos e notas de antigos escoliastas[1].

Segundo críticos do calibre de Aristóteles, os poemas são literariamente inferiores às epopeias homéricas, mas exerceram grande influência nos decoradores de vasos e nos poetas trágicos do século -V. Todos foram escritos em hexâmetros dactílicos, metro próprio dos poemas épicos.

Mini-catálogo

De acordo com o tema básico, a maioria dos poemas pode ser reunida em dois grandes grupos, o ciclo troiano e o ciclo tebano. De modo geral, todos são posteriores à Ilíada e à Odisseia e foram criados entre -700 e -500, aproximadamente.

Convencionalmente, nem a Ilíada e nem a Odisseia fazem parte dos poemas cíclicos.

iHéracles

Sobre alguns poemas, como por exemplo os Cantos Cíprios, estamos razoavelmente informados. Da maioria, no entanto, sabemos pouco mais do que o título, o possível autor e, em em linhas bem gerais, o tema principal.

Há, também, poemas não associados a esses dois grandes ciclos, e.g. os que descrevem as façanhas de heróis como Héracles, Teseu e alguns personagens míticos obscuros.

Não é demais reiterar que nenhuma das suposições é segura, e mesmo os autores antigos, mais próximos da fonte, com frequência aludiam aos poetas cíclicos sem noméa-los, e.g. ‘o que compôs a Titanomaquia’ (Ath. 7.277 D) e ‘os autores da Edipoidia’ (Σ Eur. Ph. 1750).

Ciclo tebano

Reúne poemas relacionados com Édipo e seus filhos, que viveram pouco antes da Guerra de Troia.

  • Edipoidia (gr. Οἰδιποδεία). Cinéton, 6600 versos, sæc. -VII. Temas: a derrota da Esfinge, o casamento de Édipo com sua mãe e com Euriganeia
  • Tebaida (gr. Θηβαίς). Anônimo, 7000 versos, sæc. -VII. Temas: a disputa entre os filhos de Édipo, a luta dos “sete chefes” contra a cidade de Tebas e sua derrota.
  • Os Epígonos (gr. Ἐπιγόνοι). Antímaco de Teos, 7000 versos, sæc. -VII. Temas: a conquista de Tebas pelos filhos dos “sete chefes”.

Ciclo troiano

iA tabula ilíaca

Reúne os poemas épicos relacionados com a Guerra de Troia.

Uma parte deles descreve os acontecimentos anteriores e posteriores aos eventos descritos na Ilíada; outra parte relata o retorno dos guerreiros gregos aos seus lares, depois de muitos anos de lutas, e relaciona-se com a Odisseia.

  • Cantos cíprios (gr. Κύπρια). Estasino, 11 livros, -550/-500. Temas: das origens da Guerra de Troia até o início da Ilíada.
  • Etiópida (gr. Ἀιθιοπίς). Arctino de Mileto, 5 livros, fim do sæc. -VII. Temas: novos aliados troianos, a amazona Pentesileia e o etíope Mêmnon, são mortos por Aquiles, que por vez é morto por uma flecha de Páris, guiada pelo deus Apolo; funerais de Aquiles.
  • Pequena Ilíada (Ἰλιὰς μικρά). Lesques de Mitilene (ou Pirra), 4 livros, fim do sæc. -VII. Temas: disputa pelas armas de Aquiles, suicídio de Ájax, a volta de Filoctetes e a chegada de Neoptólemo; o cavalo de Troia.
  • A destruição de Troia (gr. Ἰλίου πέρσις). Arctino de Mileto, 2 Livros, fim do sæc. -VII. Temas: os gregos destroem Troia e recuperam Helena; o sacrifício de Polixena e a partida dos gregos.
  • Os retornos (gr. Νόστοι). Agias de Trezena, 5 livros, fim do sæc. -VII. Temas: peripécias e destino dos guerreiros gregos em seu retorno ao lar.
  • Telegonia (gr. Τηλεγόνεια). Êugamon de Cirene, 2 livros, meados do sæc. -VI. Temas: viagem de Odisseu à Tesprótia e peripécias de Telégono, filho de Odisseu e Circe, que mata inadvertidamente o pai.

Outros poemas cíclicos

Citações, fragmentos e escólios esparsos nos levam a crer que outras epopeias existiram, mas sem ligação direta com a Guerra de Troia ou com Édipo.

iZeus derruba um titã

Da Titanomaquia, da Tomada de Ecália e da Alcmeônida sabemos alguma coisa. A primeira, atribuída a Eumelo de Corinto ou a Arctino de Mileto, continha uma teogonia que começava com a união entre o Céu e a Terra e descrevia a luta entre Zeus e os titãs.

A segunda, atribuída a Creófilo de Samos, contava uma das aventuras de Héracles, conhecida também a partir da tragédia As Traquinianas, de Sófocles.

A terceira relatava as aventuras de Alcmeon, o filho de Anfiarau que, a exemplo de Orestes, matou a própria mãe para vingar a morte do pai.

Títulos como a Foceida, a Miníada e a Danaida, assim como poemas sobre o rapto de Europa, sobre a vingança de Medeia e sobre Héracles, seus doze trabalhos e outras aventuras (e.g. Cércopes), no entanto, são para nós pouco mais do que sombras fugidias.

Os textos

Sinopses

Há, por enquanto, apenas duas sinopses:

Edições e traduções

Atualmente, são considerados padrão os textos de Malcolm Davies (Göttingen, 1988), Alberto Bernabé (pars I, Stuttgart e Leipzig, 21996) e Martin West (Loeb, 2003).

Está diponível, em português, robusta tradução de todos os fragmentos do ciclo épico, com aparato crítico, de José Leonardo S. Buzelli (2019). Iniciativa raríssima em nosso país!