logo

Aristóteles

Seção: filosofia grega1180 palavras
Ἀριστοτέλης Aristoteles Phil. Arist.

Aristóteles, o mais importante dos discípulos de Platão, foi um dos mais completos eruditos da História e teve profunda e duradoura influência no pensamento ocidental.

Biografia

Nasceu em Estagira, na Calcídica, em -384; era filho de Nicômaco, médico pessoal de Amintas, rei da Macedônia (-393/-370), pai de Felipe II (-382/-336) e avô de Alexandre III (-356/-323).

Nada sabemos de sua juventude; mas podemos imaginar que, graças ao pai, desenvolveu um certo gosto pelas ciências naturais.

Viveu em Atenas e estudou na Academia de Platão entre -367 e -347. Após a morte do mestre, ficou três anos em Atarneus (ou Assos), perto de Troia, juntamente com Teofrasto (-371/-287) e outros ex-alunos da Academia, e casou-se com Pítias, filha de Hérmias, tirano local e também ex-aluno de Platão.

iAristóteles

Em -345 foi para Mitilene, em Lesbos, onde, ao lado de Teofrasto, realizou a maior parte de suas famosas investigações biológicas.

Em -343 aceitou tornar-se preceptor de Alexandre, filho de Felipe II, então com treze ou quatorze anos; nessa época, ficou amigo de Antípatro (-397/-319), um dos futuros diádocos. Viveu em Pela, na corte macedônica, até -335, quando Alexandre subiu ao trono.

De volta a Atenas, no mesmo ano, fundou o famoso Liceu[1], ou escola peripatética, assim chamada devido ao hábito do filósofo de discutir e ensinar enquanto passeava (gr. περιπατέω) pelas alamedas da escola. Lá, ele e seus discípulos realizaram pesquisas filosóficas e científicas em alta escala e reuniram vasto material referente a todo o conhecimento da época.

Aristóteles dirigiu o Liceu até -323, pouco depois da morte de Alexandre III. Devido à grande animosidade dos atenienses contra os macedônios, deixou a escola aos cuidados de Teofrasto (-371/-287) e retirou-se para Cálcis, na Eubeia, onde morreu no ano seguinte, -322.

Obras sobreviventes

Καὶ ἔστι τοῦ φιλοσόφου περὶ πάντων δύνασθαι θεωρεῖν. E é próprio do filósofo ser capaz de estudar tudo. Aristóteles, Metafísica 1004a-b

Aristóteles publicou grande quantidade de obras de caráter didático, destinadas ao público em geral, sob a forma de diálogo. Nenhum desses textos exotéricos (para os “externos”) chegou até nós; possuímos apenas pequenos trechos e um ou outro resumo.

Sobreviveram somente os escritos esotéricos (para os “internos”), concisos e de caráter mais técnico, baseados nas anotações do filósofo para aulas e exposições destinadas aos discípulos da escola entre -335 e -323.

Eis uma classificação simplificada dos textos do corpus aristotélico, proposta por Luce (1994):

  • Lógica
    Categorias, Da interpretação, Primeiros Analíticos, Segundos Analíticos, Tópicos, Refutações sofísticas
  • Ciências naturais (“física”)
    Do Céu, Da Geração e Corrupção, Meteorologia, Física (sc. “o mundo natural”), Metafísica
  • Ética
    Ética a Eudemo*, Ética a Nicômaco, Magna moralia*
  • Psicologia
    Da alma, Da sensação e do sensível+, Da memória+, Do sono e da vigília+, Dos sonhos+, Da adivinhação pelos sonhos+, Da extensão e brevidade da vida+, Da juventude e da velhice, da vida e da morte, da respiração+
  • Biologia
    Investigações sobre os Animais, Das partes dos animais, Do movimento dos Animais, Do modo de andar dos animais, Da geração dos animais
  • Política
    Política, Constituição dos atenienses*
  • Crítica literária
    Retórica, Poética

As ideias de Aristóteles sobre alguns temas, como por exemplo a teoria a linguagem, estão dispersas em vários tratados, alguns deles fragmentários.

Os textos de lógica são conhecidos, em conjunto, por Organon (gr. ὄργανον), que significa ‘instrumento, ferramenta’.

“Metafísica” não é palavra aristotélica; originalmente, designa os livros do tratado que vem logo depois da Física (gr. μετὰ τὰ φυσικά) nas antigas edições do corpus aristotelicum. Apenas em nossa época eka assumiu a conotação de “estudo da realidade do ser e da existência”.

iO mosaico de Aristóteles

Os textos assinalados com o sinal + são coletivamente conhecidos por Parva naturalia, ‘pequenos tratados sobre a Natureza’.

Muitos tratados que acompanham o corpo aristotélico não são considerados autênticos pelos estudiosos; os três mais importantes estão marcados, na lista acima, com o sinal *. Ética a Eudemo não é, com certeza, de Aristóteles; Magna Moralia parece ter sido escrito por um discípulo de Aristóteles, baseado nas aulas dos mestre; e a Constituição dos Atenienses chegou até nós em papiro, à parte do corpus aristotelicum. Muitos outros textos espúrios não foram incluídos na lista.

Temos, finalmente, vários fragmentos e alguns poemas, como o Hino à virtude, atribuídos a ele sem justificativas apropriadas.

O pensamento de Aristóteles

Τῆς παιδείας ἔφε τὰς μὲν ῥίζας εἶναι πικράς, τὸν δὲ καρπὸον γλυκύν. A educação tem raízes amargas, mas os frutos são doces. Aristóteles (apud Diógenes Laércio 5.18)

Aristóteles rejeitou a teoria das formas (“ideias”) de seu mestre, Platão, pois ela envolvia conceitos excessivamente abstratos; para ele, existem apenas seres e objetos concretos e reais, que podem ser percebidos pelos sentidos e analisados em termos de forma, constituição, construção e finalidade.

iPlatão e Aristóteles

Todas as coisas têm caracteres gerais, que permitem agrupá-las, e caracteres específicos, que as distinguem umas das outras.

Esse sistema permeia toda a obra de Aristóteles. Sua contribuição fundamental à Filosofia foi, no entanto, a criação da lógica formal e da lógica material, métodos que organizam e ordenam o raciocínio e o pensar.

Dentre outras importantes contribuições, cite-se a retórica, estudo da palavra, uma das mais distintivas características do homem; a ética, estudo dos princípios racionais da virtude humana; e a política, estudo do comportamento do homem em comunidade.

Aristóteles estudou, ordenou, classificou e escreveu a respeito de toda a ciência e toda a filosofia antiga; “não teve continuadores, e sim comentadores” (Humbert, 1961). O pensamento aristotélico dominou de forma absoluta a Idade Média ocidental, influenciou os árabes e continuou praticamente incontestado até o século XIX.

O texto

Sinopses

Há somente uma sinopse no Portal, por enquanto:

Manuscritos e edições

A primeira edição da obra de Aristóteles data possivelmente do final do século -I e foi preparada por Andrônico de Rodes, de quem quase nada se sabe. Tradicionalmente, os textos aristotélicos (lat. corpus aristotelicum) ainda são agrupados de acordo com essa edição.

A editio princeps é a Aldina (Veneza, 5 v., 1495-1498) e a edição moderna mais importante é a de Immanuel Bekker (Berlin, 1831-1870), mas ela não levou em conta todos os manuscritos conhecidos, cuja quantidade é desconhecida.

A edição de Bekker tem enorme importância histórica e sua numeração dos tratados é usada até hoje como referência. “Aristóteles 1094b” significa, por exemplo, que a passagem em questão está na página 1094, coluna b dessa edição.

Não há edição padrão de todos os tratados e os estudiosos recorrem sempre a edições isoladas que utilizaram os mms. mais importantes. Há várias listas das edições; sugiro a de Mesquita (2005, p. 27-8).

Traduções

Até o momento, somente tratados isolados foram traduzidos para o português. Está em andamento desde 2005, em Portugual, uma tradução completa das obras, coordenada por António Pedro Mesquita (2005).