Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

O mito de Órion

 
Órion à procura do sol nascente

Orion (gr. Ὠρίων) era um gigantesco caçador, transformado pelos deuses em constelação juntamente com as Plêiades. A lenda de Órion é provavelmente muito antiga e pré-homérica, pois os poemas homéricos já mencionam sua presença no céu noturno, perto das Plêiades (Il. 18.485-7; Od. 5.272-4).

Segundo fragmento de antigo poema em hexâmetros (Astronomia) atribuído na Antiguidade a Hesíodo (Fr. 148a M-W), era filho de Posídon e de Euríale, filha do rei Minos, mas há muitas controvérsias a respeito de sua ascendência e do local de seu nascimento. Corina sustenta que ele era de Tânagra, Beócia (Fr. 673).

Mitos

Em essência e de acordo com as fontes mais antigas, muito sucintas, ele era um poderoso caçador armado de clava (Od. 11.572-5), tinha grande estatura (Pi. I. 4.49), foi amado por Éos (Od. 5.121) e, mais tarde, morto por Ártemis (Od. 5.124) e transformado em constelação. Os mitos de que participa são variados e são contados em fontes helenísticas e romanas tardias, algumas mais ou menos organizadas pelo Pseudo-Apolodoro (1.4) em uma certa sequência.

Consta que, graças ao seu pai Posídon, ele podia caminhar sobre as ondas. Assim, chegou a Quios, matou várias feras e, bêbado, violentou Mérope, filha do rei Enópio. O rei posteriormente conseguiu cegá-lo (sozinho ou auxiliado por Dioniso) e o expulsou da ilha. Órion conseguiu chegar a Lemnos, lar de Hefesto, que lhe cedeu um servo, Cedálio, para guiá-lo. Com esse servo nos ombros ele se dirigiu para o leste e foi curado da cegueira pelos raios do sol nascente, isto é, por Hélio.

Depois de tentar, sem sucesso, se vingar de Enópio, Órion se dirigiu para Creta, onde passava o tempo caçando animais selvagens em companhia de Ártemis e de Letó. Segundo Corina (Fr. 673), ele livrou muitas regiões dos animais selvagens e teve 50 filhos de grande força com as ninfas, e outras tantas filhas que se sacrificaram em prol de Orcômeno (Fr. 655 e 673; Ov. Met. 13.685). Diodoro Sículo (4.85) sustenta que ele construiu o atual promontório de Capo Peloro, na Sicília, assim como um templo dedicado a Posídon que havia nele.

Há versões controversas sobre sua morte. Uma das mais populares conta que ele se vangloriou de ser páreo para qualquer animal sobre a terra, e aí Gaia enviou um escorpião gigante que o matou com uma picada. Há uma variante em que o escorpião gigante atacou Letó e, ao defendê-la, Órion foi morto (Ov. Fast. 5.537-44). Em outra versão ele se enamorou de Ártemis e tentou atacá-la, mas ela o matou com uma flecha ou enviou o tal escorpião para acabar com ele (Palaeph. 51, Call. Fr. 570). No relato do Pseudo-Apolodoro, Ártemis o flechou porque ele atacou uma das ninfas de seu séquito.

O mito de Órion perseguindo as Plêiades remonta possivelmente a Píndaro (Fr. 74), mas é muito mal contado em todas as fontes disponíveis. Não parece compatível com a estada dele em Creta e só sabemos que, no final, os três foram transformados em constelação: as Plêiades, Órion e até o escorpião...

Representações e culto

Há várias representações de caçadores com clava na arte grega antiga, mas nenhuma pode ser associada com segurança a Órion. Ele era cultuado na Beócia, especialmente em Tânagra, onde havia uma tumba de Órion perto da qual ocorria uma festa anual.

Literatura e arte

Órion é personagem de poemas de Horácio (-65/–8), Ovídio (-43/17-18), Estácio (45/96); Richard Hengist Horne (1802/1884) escreveu, em 1843, um épico em 3 volumes sobre ele. Barthélemy Prieur (c. 1536/1611) representou-o em uma estátua de bronze em 1600/1611, atualmente exposta no Louvre e Nicolas Poussin pintou a cura de sua cegueira em 1658 (Fig. 1009, ver iluminura da página). Francesco Cavalli (1602/1676), Johann Christian Bach (1735/1782)) e Philip Glass (1937-    ) compuseram óperas inspiradas em suas histórias.

Outras iluminuras

 
Constelação Órion a olho nu.

Créditos das ilustrações

i1009Órion à procura do sol nascente → Ver comentários.
i1045Constelação Órion a olho nu → Ver comentários.

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0865
publicado em 01/05/2013.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. O mito de Órion. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0865. Consulta: 20/10/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017