Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Os titãs Crono e Reia

 
Reia, Crono e a pedra

Após a destituição e "aposentadoria" compulsória de Urano, Crono (gr. Κρόνος) passou a residir no céu e se tornou o novo "rei dos deuses". Conforme as versões mais tardias da lenda, seu reinado foi uma verdadeira Idade de Ouro.

Uniu-se a uma de suas irmãs, a titânide Reia (gr. Ῥέα), e gerou os primeiros deuses olímpicos: Héstia, Deméter, Hera, Hades, Posídon e Zeus. Consta que se uniu também à oceânide Fílira e gerou o bondoso centauro Quíron, grande amigo dos mortais, ao contrário dos demais centauros.

           Gaia ------+------ Urano
                      |
             +--------+-------- ...
 Filira   Crono      Reia
    |        |         |
    +---+----+----+----+
        |          \
      Quíron        \
                 +---+------+--------+--------+----------+---------+
                 |          |        |        |          |         |
              Héstia     Deméter    Hera    Hades     Posídon     Zeus
   

Reia era também chamada de mãe dos deuses, talvez porque três de seus filhos (Zeus, Posídon e Hades) iriam controlar, mais tarde, o mundo. Divindade muito antiga, ligada à deusa-mãe, senhora dos animais, e à fertilidade, tem origem provavelmente minoica; seu epíteto é mencionado nas tabuinhas em linear B. Com o intensivo contato dos gregos com as culturas da Ásia Menor, a partir do século -VII, acabou sendo equiparada à deusa frígia Cibele.

O novo déspota

Com o tempo, Crono se transformou em um déspota tão maligno quanto o pai. Temeroso do poder dos ciclopes e dos hecatônquiros, encerrou-os de novo no Tártaro; depois que Urano e Gaia profetizaram que seria destronado por um dos filhos, passou a devorar os filhos imediatamente depois do nascimento.

Mas Zeus, o mais novo, conseguiu escapar desse triste destino. Reia enganou o marido com uma pedra envolvida em panos e escondeu o filho em uma gruta do monte Ida (ou do monte Dicte), na Ilha de Creta.

Mais tarde o jovem Zeus conduziu uma revolta contra o pai, a titanomaquia, e conseguiu destituí-lo.

Representações e culto

Crono não era, habitualmente, representado; foi cultuado em épocas muito remotas no sopé do Monte Cronion (Élida), perto do Altis de Olímpia.

Reia, raramente representada, era também cultuada desde tempos imemoriais no alto do Monte Ida, em Creta, e pelo menos desde o século -V, em vários lugares, sob a forma de Cibele. Com frequencia, ao se referir a ela, dizia-se simplesmente a Mãe. Cibele era geralmente mostrada em um trono, portando uma coroa alta e címbalos, ou então dirigindo um carro puxado por leões.

Outras iluminuras

 
Saturno devorando um de seus filhos.
 
Cibele.
Burgas, Museu Arqueológico
 
Cibele entronizada.
 
Cadeia montanhosa do Ida.
In situ

Créditos das ilustrações

i0043Reia, Crono e a pedra → Ver comentários.
i0443Saturno devorando um de seus filhos → Ver comentários.
i1102Cibele → Ver comentários.
i0442Cibele entronizada → Ver comentários.
i0689Cadeia montanhosa do Ida → Ver comentários.

Imprenta

Artigo nº 0365
publicado em 21/01/2001.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Os titãs Crono e Reia. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0365. Consulta: 27/03/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 25/03/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017