Aristófanes de Bizâncio

Seção: literatura grega0390 palavras
Ἀριστοφάνης Aristophanes Byzantinus Phil. Ar. Byz.

Erudito helenístico, bibliotecário-chefe da Biblioteca de Alexandria entre -195 e -180.

Um dos mais importantes intelectuais do mundo antigo.

Vida e obra

Viveu entre -257 e -180, aproximadamente; estudou em Alexandria com Zenódoto e Calímaco, foi professor de Aristarco.

Sucedeu Eratóstenes como bibliotecário por volta de -195.

Suda α 3933, 3936, 3892; POxy. 1241 col. ii; várias citações, e.g. Ateneu 6.241f e 14.664a.

Aristófanes preparou edições de Homero, da Teogonia de Hesíodo, de Píndaro, de Alceu e de Álcman; também trabalhou com Sófocles, Eurípides, Aristófanes e Menandro, pelo menos. As primeiras edições de Píndaro e de Aristófanes são de sua autoria.

Compilou um léxico de palavras pouco utilizadas, escreveu sobre personagens cômicos, provérbios e animais; preparou também listas dos melhores poetas antigos, o que ajudou o cânone dos poetas do Período Clássico a tomar forma. E há evidências sobre alguns outros de seus trabalhos.

A ele são atribuídos uma série de argumentos e resumos (“hipóteses”) de tragédias e comédias que, nos manuscritos medievais, antecedem os dramas. A atribuição se deve, talvez, a comentários e notas que Aristófanes acrescentava a suas edições, possivelmente baseadas em trabalhos de Calímaco e de Dicearco, discípulo de Aristóteles.

Consta que inventou os sinais de acentuação e marcas para assinalar interpolações e outras aparentes impropriedades no texto dos manuscritos. Aristófanes parece ter sido, também, o primeiro editor a separar sistematicamente os versos dos poetas líricos nos manuscritos.

De suas obras restam apenas fragmentos e alguns comentários, estes usualmente dispersos entre os escólios dos poetas dramáticos e líricos. As “hipóteses” a ele atribuídas acompanham manuscritos de tragédias e comédias e se caracterizam pelos comentários sobre qualidades do drama e outros aspectos dramáticos. É possível que esses pequenos textos tenham sido apenas inspirados e/ou baseados em seus trabalhos.

Manuscritos, edições e traduções

Passagens consideráveis de algumas obras estão presentes nos mss. Parisinus suppl. gr. 1164 e Parisinus gr. 1630, da Biblioteca Nacional de Paris, e Laurentianus 80,13, da Biblioteca Laurenciana de Florença, todos do século XIV. As principais fontes secundárias são Eustácio, Erotiano, Pólux, Élio Dionísio, Eliano e vários estudiosos bizantinos.

Edições: August Nauck (Halle, 1848: quase completa) e William Slater (Berlin / New York, 1986: mais atualizada, porém incompleta). Para descobertas recentes, ver François Lasserre (Bologna, 1986-7).

Há somente traduções esparsas dos argumentos dramáticos em vários dramas traduzidos para o português.