Apolônio de Rodes

Seção: literatura grega
Ἀπολλώνιος Ρόδιος Apollonius Rhodius Epicus Ap. Rhod.
página esquemática / provisória

Apolônio Ródio era um dos poetas eruditos do Período Helenístico, autor da epopeia pós-homérica intitulada Argonáutica.

Pouco sabemos a seu respeito. Contemporâneo de Calímaco (c. -315/-240), foi bibliotecário da Biblioteca de Alexandria logo após Zenódoto de Éfeso (c. -325/-270), durante o reinado de Ptolomeu II Filadelfo (-309/-246), que começou em -283.

iJasão, a serpente, o tosão de ouro e Atena

Acredita-se que escreveu poemas históricos sobre a fundação de algumas cidades, comentários sobre Homero, Hesíodo e Arquíloco, mas sua obra mais notável — e a única que chegou até nós na íntegra — é a Argonáutica, poema épico em quatro livros e cerca de 5.800 versos sobre os argonautas e a busca do tosão de ouro.

A despeito da estética helenística do poema, a influência dos poemas homéricos transborda em quase todos os versos.

A antiga tradição de ele e Calímaco terem mantido acirrada polêmica sobre natureza da poesia épica não tem fundamento histórico e se baseia em inferências tardias e mal fundamentadas (Lefkovitz 1992, p. 113-21; Cameron 1995, p. 227).

 

POxy. 1241 col. ii; Suda s.v. Ἀπολλώνιος (α 3419) e s.v. Καλλίμαχος (κ 227); Vida A e Vida B dos manuscritos da Argonautica.

Editio princeps: Janus Lascaris (Florença, 1496). Edição padrão: para a Argonautica, Francis Vian (Budé, 3 v., 1974-1981); para os fragmentos das outras obras, William Race (Loeb, 2008).