Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Xenofonte de Atenas

 
Xenofonte (-428/-354)

Ex-discípulo de Sócrates, soldado, aventureiro, proprietário rural, escritor... Xenofonte (gr. Ξενόφῶν) de Atenas é uma das mais versáteis e fascinantes personalidades da Grécia Clássica.

Biografia

Nasceu em Atenas por volta de -428. Era de família abastada e conviveu com Sócrates até -401, quando se juntou aos mercenários gregos que combateram na Pérsia em favor de Ciro, o Jovem. Após a batalha de Cunaxa (-401), os mercenários gregos tiveram de fugir e Xenofonte foi um dos líderes da bem sucedida retirada.

Lutou novamente contra os persas, ao lado dos espartanos, e tornou-se amigo do rei Agesilau (-396). Acompanhou-o de volta à Grécia quando começou a Guerra de Corinto (-395/-387) e consta que ficou do lado de Esparta durante a batalha de Queroneia (-394), possivelmente sem participar dos combates.

Devido ao seu óbvio alinhamento com os interesses espartanos, na época contrários aos de Atenas, os atenienses exilaram-no e confiscaram seus bens. Esparta concedeu-lhe, então, a proxenia[1] e uma propriedade na Élida, perto de Olímpia (-390). Durante os 20 anos seguintes Xenofonte foi apenas um tranquilo e abastado proprietário rural e escreveu grande parte de suas obras. Após a derrota dos espartanos em Leuctras (-371), porém, teve de abandonar a propriedade e se refugiar em Corinto.

Anos antes, com a reaproximação de Atenas e Esparta, seu exílio havia sido revogado, mas ele aparentemente não voltou mais à pátria. Seu filhos, no entanto, lutaram no exército ateniense e um deles, Grilo, morreu em Mantineia (-362).

Sua última obra parece ter sido escrita em -355 ou poucos anos depois: é a última referência que temos sobre sua vida.

Obras sobreviventes

Todas as suas obras foram conservadas. A cronologia da maioria é pouco exata, porém todas devem ter sido escritas depois de -390, quando se retirou para sua propriedade na Élida. É costume dividí-las em três grupos:

Quase históricas
Anábase, Helênicas, A Educação de Ciro (-370), Agesilau (-360)
Socráticas
Memoráveis, Apologia de Sócrates, O Banquete, Econômico
Menores
A Constituição dos Lacedemônios, O Comandante de Cavalaria, Hieron, Da Equitação, As Rendas (-355)

A Constituição de Atenas, atribuída a ele pelos antigos, não é de sua autoria; há também sérias dúvidas sobre a autenticidade do pequeno tratado Da Caça.

Características da obra

Xenofonte era um homem de ação e sua concepção de vida, tradicionalista, aristocrática e antidemocrática, seguia de perto as ideias espartanas. Como bom ateniense, porém, sentia necessidade de discutir, argumentar, ponderar, explicar as razões de seus pensamentos e atos. Nada tinha de filósofo, e seus escritos socráticos procuravam apenas defender a memória do amigo e transmitir seus ensinamentos.

As variadas experiências vividas por ele se refletem na diversidade de sua obra; a personalidade marcante do autor e suas ideias aparecem com nitidez em cada parágrafo. De certa forma, essa é a principal razão de sua deficiência como historiador: as narrativas contêm, principalmente, as lembranças e a visão pessoal de Xenofonte. A despeito disso, o relato dos eventos ocorridos entre -411 e -362 são inestimáveis para a reconstituição histórica da época.

Do ponto de vista linguístico, Xenofonte é um dos modelos mais perfeitos do dialeto ático. Suas narrativas podem parecer um pouco cansativas ao leitor moderno, porém seu estilo simples, elegante e correto é certamento um marco da literatura grega. Foi também um dos primeiros escritores gregos a escrever biografias (Agesilau).

Outras iluminuras

 
Escola de Atenas.
Cidade do Vaticano, Museus Vaticanos

Notas

  1. O próxeno (gr. πρόξενος) era, literalmente, um ‘amigo do estrangeiro’, em geral alguém que residia em uma pólis e cuidava dos interesses dos cidadãos de outra pólis no local em que residia. Seria, hoje em dia, uma espécie de “cônsul honorário”. Aparentemente a posição era hereditária, tinha vários privilégios e incluía direito a proteção. O poeta Píndaro, por exemplo, foi próxenos de Atenas em Tebas, e o orador Demóstenes foi  próxeno de Tebas em Atenas.

Créditos das ilustrações

i0396Xenofonte (-428/-354) → Ver comentários.
i0016Escola de Atenas → Ver comentários.

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0348
publicado em 15/11/2000.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Xenofonte de Atenas. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0348. Consulta: 25/05/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017