Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Adônis

 
Adônis, Afrodite e Perséfone

A lenda de Adônis (gr. Ἄδωνις), popular nas épocas helenística e greco-romana, é certamente originária da Ásia Ocidental. O Adônis grego baseou-se certamente no Tammuz babilônico, que por sua vez remonta ao Dumuzid (ou Damuzid) sumeriano, consorte de Innana[1].

Adônis pode ser equiparado a divindades orientais que desempenham o papel de filho e/ou consorte de numerosas deusas mães, como Inanna, Ninhursag, Ištar e Astarte, entre outras (Campbell, 1994).

Mirra e Adônis

Mirra, filha do rei da Síria, apaixonou-se pelo próprio pai e, através de estratagemas, conseguiu passar doze noites com ele. Mas o rei descobriu o engodo e, furioso, perseguiu a filha com a intenção de matá-la. Os deuses, porém, o impediram, transformando a princesa em uma árvore odorífera, a mirra.

Meses depois, o tronco da árvore abriu-se e dela saiu um menino de grande beleza, que recebeu o nome de Adônis.

A deusa Afrodite, impressionada com ele, recolheu-o e pediu que Perséfone, esposa de Hades, o criasse às escondidas. Quando ele se tornou adolescente, porém, Perséfone se apaixonou pelo rapaz, e não quis devolvê-lo a Afrodite, que também o queria.

O litígio entre as duas deusas teve de ser arbitrado por Zeus. O soberano dos deuses decidiu que o rapaz passaria um terço do ano com Afrodite, um terço com Perséfone e o outro terço com quem quisesse. Resultado prático: Adônis passava dois terços do ano em companhia de Afrodite...

As rosas de Adônis

Adônis adorava caçar, e Afrodite frequentemente o acompanhava, em um carro puxado por cisnes. Certo dia, porém, quando caçava sozinho, um javali feroz feriu-o mortalmente. Algumas versões relatam que o javali era, na verdade, o ciumento deus Ares, amante de Afrodite; outras, que havia sido enviado por Ártemis, ou ainda por Apolo, por razões pouco claras.

Afrodite acorreu imediatamente, mas era tarde demais para salvar o rapaz. Entristecida, a deusa fez com que a anêmona, belíssima flor vermelha que floresce brevemente na primavera, brotasse do sangue derramado por ele. Relatos posteriores sustentam que, ao socorrer o jovem, Afrodite feriu-se em um espinho e seu sangue tingiu de vermelho as rosas, que até então eram somente de cor branca.

Outras iluminuras

 
Afrodite e Adônis.
 
Vênus e Adônis.

Notas

  1. Innana (de nin-an-ak, ‘senhora do céu’) era a deusa sumeriana do amor, do desejo, da fertilidade e da guerra, correspondente à acadiana Ištar — espécie de Afrodite com traços de Atena e Hera que remonta às antigas deusas-mães. Seu templo mais importante, em tempos remotos (-4000/-3100), ficava na cidade de Uruk, Mesopotâmia.

Referências

Joseph Campbell, As máscaras de Deus - Mitologia Oriental, trad. C. Fischer, São Paulo, Palas Athena, 1994, p. 39-41.

Créditos das ilustrações

i0923Adônis, Afrodite e Perséfone → Ver comentários.
i0792Afrodite e Adônis → Ver comentários.
i0350Vênus e Adônis → Ver comentários.

Imprenta

Artigo nº 0279
publicado em 13/05/2000. Atualização: 22/09/2001.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Adônis. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0279. Consulta: 27/03/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 25/03/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017