logo

Aretusa e Alfeu

 
Aretusa, Ártemis e Alfeu
página em construção

Diversas fontes receberam, nos territórios gregos da Antiguidade, o nome de Aretusa (gr. Ἀρέθουσα), aparente metonímia para fontes de certa importância (Collard e Morwood, 2017, p. 296). Nada sabemos da Aretusa de Ítaca; as duas mais conhecidas eram a de Cálcis e a de Siracusa.

Cálcis

Da fonte de Cálcis, o autor do Catálogo das Mulheres conta que Aretusa era filha de Hiperes, descendente de Atlas, foi seduzida por Posídon e posteriormente transformada em fonte pela deusa Hera. Segundo o médico Rufo de Éfeso (Quaest. Med. 64.1), do século I, as águas dessa fonte provocavam gota[1].

Siracusa

A fonte de Siracusa é, indubitavelmente, a mais célebre de todas. Situada na Ilha de Ortígia, perto do mar, era originalmente uma bela ninfa da Acaia que fazia parte do séquito de Ártemis e percorria bosques e campos em sua companhia. Certo dia, ao se banhar nas águas do rio Alfeu (gr. Ἀλφειός), que percorre a Arcádia e a Élida e deságua no Mar Jônio, o rio se apaixonou por ela, assumiu forma humana e tentou seduzí-la. Aretusa correu, seguida de perto por Alfeu, mas perto de Élis foi quase alcançada e dirigiu então uma súplica a Ártemis. A deusa envolveu a ninfa em espessa névoa, mas o ardoroso rio não desistiu e ficou por perto.

Moeda com efígie de Aretusa

Dentro da nuvem, a ninfa se transformou em água e Alfeu, ao perceber o que ocorria, voltou à forma líquida para unir suas águas às de Aretusa. A ninfa, porém, mergulhou na terra e viajou até a ilha de Ortígia, onde a pólis de Siracusa começou, e voltou à superfície como fonte de água doce. Alfeu, porém, reconheceu-a e misturou suas águas às dela.

Durante boa parte da Antiguidade acreditou-se que Alfeu havia efetivamente criado uma passagem oculta sob o leito do mar para se misturar às águas de Aretusa, e que coisas lançadas no rio Alfeu, perto de Élis, apareciam depois de algum tempo na fonte Aretusa, em Siracusa.

 

leia mais