Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

O mecanismo de Anticitera

 
Fragmentos do mecanismo de Anticitera

Em 1900, perto da ilha grega de Anticitera (Cíclades), um mergulhador à procura de esponjas, Elias Stadiatos, descobriu um navio naufragado entre -80 e -60 a cerca de 60 metros de profundidade. Nos anos seguintes, diversos objetos foram recuperados por arqueólogos e mergulhadores, e.g. a cabeça de um filósofo desconhecido (Fig. 0024, outras iluminuras), um efebo de bronze (Fig. 0985, idem) e 82 fragmentos de um objeto que ficou conhecido como "mecanismo de Anticitera" (Fig. 0843).

O mecanismo parece ter sido concebido na área de influência cultural de Corinto (noroeste do Peloponeso e Siracusa) e talvez tenha sido baseado nos estudos do matemático, astrônomo e inventor Arquimedes de Siracusa (-287/-212). Cícero relata, em -54/-51 (Cic. Rep. 1.21), que Marcellus trouxe do cerco de Siracusa, em -212, duas máquinas capazes de prever os movimentos do sol, da lua e dos cinco planetas conhecidos[1].

A despeito da fragmentação do aparelho, diversas reconstruções conjeturais foram efetuadas nas últimas décadas (Fig. 0986) e temos já uma noção razoável de seu funcionamento.

Reconstrução e funções

Nesta sinopse, apresento resumidamente as informações mais recentes sobre a reconstrução do mecanismo e sua função, publicadas por Michael Wright e colaboradores desde 1997, e pelos cientistas do Antikythera Mechanism Research Project em 2006 e em 2008. Veja, nos links externos, um video no qual o próprio Michael Wright explica a reconstituição mais recente.

Ver links externos.

Trata-se de um complexo sistema de 37 rodas denteadas, ajustadas como rodas diferenciais, e três discos com inscrições em grego, 2.160 caracteres no total. O disco frontal tem duas escalas concêntricas; a externa marcava os dias do ano de 365 dias do calendário egípcio; um disco menor, interno, está dividido em graus e marca os signos do zodíaco. O primeiro disco tinha, possivelmente, três ponteiros que indicavam a data, a posição do Sol e a posição da Lua. Havia, ainda, um segundo mecanismo que mostrava, através de uma bolinha prateada, as fases da Lua. Supõe-se que havia um terceiro mecanismo, similar, para o Sol. Foram encontradas inscrições com o nome dos planetas Marte e Vênus (dois dos cinco planetas que os gregos e romanos conheciam) e outras que podem corresponder a certas estrelas; havia também, provavelmente, um mostrador para indicar a posição dos planetas e das estrelas.

Os dois discos posteriores, um superior e outro inferior, são constituídos por dois semi-círculos com dois centros, em forma de espiral. O de cima marca 235 meses do ciclo metônico de 19 anos, o que possibilita a construção de calendários. O disco de baixo mostra quatro ciclos de 19 anos, o que constitui o ciclo calípico de 76 anos, e registros da órbita da lua que podem ter sido usados, de acordo com o ciclo de Saros desenvolvido pelos caldeus[2], para a previsão de eclipses. A palavra "Olímpia" e o nome de outros festivais onde jogos atléticos eram disputados foram encontrados no disco do ciclo calípico.

O mecanismo parece ter sido planejado e construído para determinar posições astronômicas dos corpos celestes conhecidos pelos gregos — ele seria, portanto, uma espécie de planetário portátil. Quando uma data era introduzida por uma manivela, o mecanismo calculava a posição do Sol, da Lua e de alguns planetas e apresentava-as nos três mostradores. Aparentemente, era também possível prever eclipses.

Desde a época dos estudos pioneiros de Solla Prince (1959), iniciados em 1951, o mecanismo de Anticitera é considerado o mais antigo computador mecânico (ou analógico) do mundo.

Outras iluminuras

 
O filósofo de Anticitera.
 
O efebo de Anticitera.
 
Reconstrução do mecanismo de Anticitera.
Bozeman, Museu Americano de Computação e Robótica

Notas

  1. Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno.
  2. A Caldeia (acadiano māt Kaldu, gr. Χαλδαία, hebraico כשדים), povoada em tempos remotos por povos semitas, era uma região da Babilônia que corresponde aos entornos da atual cidade de Tell el-Mukayyar, Iraque. Os persas dominaram a região do Período Arcaico grego até a época de Alexandre III da Macedônia e consideravam seus habitantes especialmente versados em encantamentos e mágicas. Para os gregos do Período Helenístico, os caldeus eram especialmente afeitos aos estudos de astrologia (Str. 16.2.39).

Referências

Derek J. de Solla Price, An Ancient Greek Computer, Scientific American 200, 66, 1959. Tony Freeth, Alexander Jones, John M. Steele, & Yanis Bitsakis, Calendars with Olympiad display and eclipse prediction on the Antikythera Mechanism, Nature 454, 614–7, 2008. Tony Freeth, Y. Bitsakis, X. Moussas et al., Decoding the ancient Greek astronomical calculator known as the Antikythera Mechanism, Nature 444, 587–91, 2006.

Créditos das ilustrações

i0843Fragmentos do mecanismo de Anticitera → Ver comentários.
i0024O filósofo de Anticitera → Ver comentários.
i0985O efebo de Anticitera → Ver comentários.
i0986Reconstrução do mecanismo de Anticitera → Ver comentários.

Em outras partes do Portal

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0831
publicado em 07/05/2009.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. O mecanismo de Anticitera. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0831. Consulta: 21/07/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017