logo

A tabuinha KN V 52

KN V 52 sæc. -XIV

Uma tabuinha de Cnossos, a KN V 52, datada provavelmente de -1400 ou pouco depois, transcrita e traduzida por John Chadwick, traz o nome de quatro divindades gregas, registrados no antigo dialeto micênico. A escrita é, naturalmente, a linear B.

A KN V 52 — i.e. Cnossos, série de números sem ideogramas, número 52 — é uma tabuinha-folha pequena, com apenas duas linhas, quebrada no canto superior direito; havia, originalmente, uma pequena lacuna na linha inferior, completada posteriormente por um pequeno fragmento (Fig. 0023).

A inscrição

Fig. 0023
a linear B
𐀀 𐀲 𐀙  𐀡 𐀴 𐀛 𐀊 𐄇
   𐀁 𐀝 𐀷 𐀪 𐀍𐄇  𐀞 𐀊 𐀺 [𐀚𐄇]𐀡 𐀮 𐀅
transcrição
a-ta-na   po-ti-ni-ja 1 [
    e-nu-wa-ri-jo 1   pa-ja-wo-[ne 1]   po-se-da-[o ?
na escrita alfabética Ἀθάνα πότνια αʹ [
     Ἐνυάλιος αʹ   Παιαώ[νι αʹ]   Ποσειδά[ων ?
tradução
para a Senhora Atena 1 [
     para Eniálio 1   para Paia[n 1]   para Poseid[on ?

Comentários

Como se vê pela transcrição para o grego do I milênio a.C., a inscrição contém formas antigas do nome de quatro divindades conhecidas a partir de textos literários do Período Arcaico:

Atena, deusa da sabedoria e da guerra estratégica; Eniálio, antiga dividade que personificava a batalha, desde cedo assimilada a Ares; Pean, antigo deus da medicina; e Posídon, deus dos mares e dos terremotos.

A descoberta do fragmento que completou a linha inferior revelou aos epigrafistas que o nome de Pean foi escrito no dativo, forma que exprime, entre outras coisas, a atribuição. É possível, portanto, dada a imperfeição com que a linear B reproduz a língua grega, que os demais nomes estejam também no dativo (Ἀθάναι πότνιαι, Ἐνιαλίωι, Ποσειδάονι); daí a tentativa de tradução acima.

Não sabemos exatamente o que são as unidades que seguem o nome dos deuses; referem-se, possivelmente, a dádivas do senhor do palácio aos templos ou aos sacerdotes dessas divindades. Outra possibilidade, aventada por Chadwick (1977, p. 121), é que essa tabuinha era um simples exercício de escrita feito pelos escribas novatos.