Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Eurípides / Íon

... faltam algumas partes!
EM CONSTRUÇÃO...
c
 
Templo de Apolo em Delfos

Um dos dramas mais surpreendentes e desconcertantes de toda a tragédia grega (Lourenço, 1994, p. 14), o Íon (gr. Ἴων) de Eurípides tem 1622 versos. estima-se que esta insólita tragédia tenha participado de um dos concursos dramáticos de -413, aproximadamente, e nada sabemos dos dramas que a acompanhavam.

Íon, assim como outros dramas euripidianos tardios, tem final feliz e suas afinidades com a comédia são consideráveis. O tema da criança abandonada e posteriormente reencontrada pelos pais em um momento crítico, por exemplo, iria ser exaustivamente explorada pela Comédia Nova. Kitto (1990, p. 221), efetivamente, chamou-a de tragicomédia...

Hipótese

Creusa, filha única do falecido Erecteu, rei de Atenas, vai a Delfos em companhia do marido, Xuto, para consultar o oráculo, pois sua esterilidade compromete a sucessão real em Atenas. No templo de Apolo a princesa encontra um adolescente, Íon, que na realidade é filho dela e de Apolo, abandonado por ela mesma anos antes e logo depois encaminhado pelo deus ao seu templo em Delfos. Xuto, após diversas cenas de suspense, é convencido pelo oráculo de que o rapaz é seu filho e, mais tarde, mãe e filho finalmente se reconhecem e seguem para Atenas em companha de Xuto.

Dramatis personae
Hermes filho de Zeus e de Maia, mensageiro dos deuses Íon filho de Creusa e de Apolo Coro servas de Creusa Creusa filha de Erecteu, antigo rei de Atenas, casada com Xuto Xuto filho de Hélen, irmão de Éolo e Doro, marido de Creusa Pítia sacerdotiza de Apolo em Delfos Atena deusa da sabedoria, protetora de Atenas Velho escravo de Creusa Servidor
Mise en scène

A cena se passa em Delfos, diante do templo de Apolo. No cenário, alguma coisa devia representar também o interior do templo, onde ficava o altar do deus. O protagonista fazia o papel de Íon; o deuteragonista, de Creusa; e o tritagonista, de Xuto, do escravo, do mensageiro, da Pítia e de Atena.

Resumo

[ em andamento... ]

Manuscritos, edições, traduções

Principais edições isoladas da tragédia: Owen (1939), Burnett (1970), Biehl (1979) e K.H. Lee (1997).

Traduções para o português: Pulquério e Álvares (1973), Frederico Lourenço (1994).

[ em andamento... ]

Outras iluminuras

 
Sacerdotiza de Delfos.

Referências

H.D.F. Kitto, A tragédia grega - estudo literário, v. 2, trad. J.M. Coutinho e Castro, Coimbra, Arménio Amado, 1990. Frederico Lourenço, Eurípides. Íon. Lisboa: Colibri, 1994.

Leitura complementar brpt

Manuel O. Pulquério & M.M.S Álvares, "Eurípides. Íon", in M.H. Rocha Pereira (dir.), Eurípides. Lisboa: Verbo, 1973, p. 137-224. Frederico Lourenço, Eurípides. Íon. Lisboa: Colibri, 1994.

Créditos das ilustrações

i0555Templo de Apolo em Delfos → Ver comentários.
i0924Sacerdotiza de Delfos → Ver comentários.

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0447
iniciado em 12/10/2002.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Eurípides / Íon. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0447. Consulta: 22/03/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 19/02/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017