Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

As formas cerâmicas

 
O formato dos vasos gregos

De todas as formas de Arte, a cerâmica pintada foi a que mais resistiu à ação do tempo. Restam-nos numerosos exemplos de todos os estilos e períodos artísticos.

Inicialmente, somente os vasos utilizados como oferendas fúnebres eram pintados. Com o tempo os vasos de utilidade diária passaram a ser também cuidadosamente decorados em quase toda a superfície com motivos geométricos, figuras de animais, cenas mitológicas e cenas do dia-a-dia. As elaboradas cenas narrativas, aliás, distinguem a decoração dos vasos gregos em relação aos vasos produzidos pelas demais civilizações antigas.

A forma e o tipo de vaso teve grande variação ao longo da História Grega, e de modo geral pode-se dizer que o uso ditava a forma. Os tipos mais importantes durante as épocas arcaica e clássica, o apogeu da cerâmica grega, estão esquematizados na Fig. 0023.

A ânfora e a hídria eram recipientes de armazenagem (vinho, azeite, cereais); a cratera, a enócoa, o cálice (gr. κύλιξ) e o skýphos (gr. σκύφος), uma espécie de canecão, eram utilizados em refeições festivas; o lécito, o alabastro e o aríbalo guardavam azeite ou perfume para higiene pessoal; o lutróforo era usado somente em certos rituais das cerimônias de casamento.

A confecção dos vasos seguia em geral o seguinte procedimento: primeiro, a argila era preparada e o pote moldado, em partes separadas, em uma roda simples de oleiro, posta a girar pelo próprio ceramista ou um ajudante. Depois de secar algum tempo ao ar livre e serem novamente levadas à roda, para dar a forma final, as peças eram unidas com argila líquida, as alças eram colocadas e as superfícies alisadas. Depois disso vinha a pintura, efetuada com diversas técnicas e, finalmente, o vaso era levado ao fogo.

O apogeu da pintura dos vasos pode ser situado no século -VI e nas primeiras décadas do século -V, época dos vasos de "figuras negras" e de "figuras vermelhas", dos quais os museus contêm numerosos exemplos. Diversos artistas puderam ser identificados; outros são conhecidos apenas por apelidos mais ou menos sugestivos, em geral começando com a expressão "Pintor de" e mais o nome da cidade, do ceramista, de um vaso ou de uma cena famosa.

Eis uma pequena lista dos mais importantes: Pintor de Amásis (sæc. -VI); Exéquias (c. -550/-530); Epicteto (c. -520/-500); Eufrônio (c. -515/-480); Onésimo (c. -505/-485); Pintores de Berlim, de Brigos e de Cleofrades (c. -500/-480); Douris (c. -500/-470); Pintor de Pã (c. -480/-450); Pintor dos Nióbidas (c. -465/-450); Pintor de Pentesileia (c. -465/-445); Pintor de Erétria (c. -430/-420); e o Pintor de Midias (c. -420/-400).

Créditos das ilustrações

i0023O formato dos vasos gregos → Ver comentários.

Em outras partes do Portal

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0053
publicado em 16/04/1998.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. As formas cerâmicas. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0053. Consulta: 26/02/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 19/02/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017