logo

Platão / Timeu 21e-25d

Pl. Ti. 21e-25d-360 / -347
grver
texto original

Nesta conhecida passagem dos diálogos platônicos, o autor relata uma curiosa história que o ateniense Sólon ouviu no Egito: a do mito da Atlântida.

A tradução é de Rodolfo Lopes (2013, p. 81-9), da Universidade de Coimbra; extraí da passagem somente os trechos pertinentes e alterei o nome da deusa “Geia” para Gaia, conforme padrão do Portal.

21e

Há no Egipto – começou Crítias –, no extremo inferior do Delta, em redor da zona onde se divide a corrente do Nilo, uma região chamada Saiticos; e da maior cidade dessa região, Sais[1] – precisamente de onde era natural o rei Amásis[2] – (...)

Dizia Sólon que, enquanto por ali andou, era 22a muitíssimo respeitado por eles, e que, a certa altura, ao questionar os sacerdotes mais versados sobre acontecimentos antigos, descobriu que nem ele nem nenhum outro grego sabia, por assim dizer, quase nada sobre aquele assunto. Como ele pretendia induzir os anciãos a conversarem sobre acontecimentos antigos, pôs-se a contar as tradições ancestrais que há entre nós. Falou de Foroneu, que se diz ter sido o primeiro homem, e de Níobe[3], de como Deucalião e Pirra sobreviveram ao dilúvio, e discorreu sobre a genealogia dos que lhes sucederam. (...)

23d

Então, o sacerdote respondeu o seguinte: “É sem reserva alguma que to contarei, ó Sólon, por consideração a ti e à vossa cidade e, acima de tudo, por gratidão à deusa, a quem coube em sorte a vossa cidade e também esta, que ela criou e educou[4] – primeiro a vossa, mil anos antes 23e da nossa, depois de ter recebido de Gaia e de Hefesto a semente de onde vós nascestes[5], e depois esta aqui. Segundo os números gravados nos escritos sagrados, a nossa cidade foi organizada há oito mil anos. (...) 24e Os nossos escritos referem como a vossa cidade um dia extinguiu uma potência que marchava insolente em toda a Europa e na Ásia, depois de ter partido do Oceano Atlântico. Em tempos, este mar podia ser atravessado, pois havia uma ilha junto ao estreito a que vós chamais Colunas de Héracles[6] – como vós dizeis; ilha essa que era maior do que a Líbia[7] e a Ásia juntas. (...) 25a Nesta ilha, a Atlântida, havia uma enorme confederação de reis com uma autoridade admirável que dominava toda a ilha, bem como várias outras ilhas e algumas partes do continente. (...) 25b Esta potência tentou, toda unida, escravizar com uma só ofensiva toda a vossa região, a nossa e também todos os locais aquém do estreito. (...) 25c Posteriormente, por causa de um sismo incomensurável e de um dilúvio que sobreveio num só dia e numa noite 25d terríveis, toda a vossa classe guerreira foi de uma só vez engolida pela terra, e a ilha da Atlântida desapareceu da mesma maneira, afundada no mar.”