Filme / As façanhas de Hércules, de Pietro Francisci

Área: novidades300 palavras

Filme “B”[1] baseado nas aventuras do herói grego Héracles, filmado na Itália e dirigido e roteirizado (em parte) por Pietro Francisci. Estreou em 1958 na Itália, em Portugal e no Brasil; nos EUA, em 1959, com dublagem em inglês.

poster
Fig. 0090. Poster promocional
© Lux Film?

O roteiro é uma mistura esdrúxula das aventuras dos Argonautas e dos 12 trabalhos de Héracles, com personagens frequentemente deslocados de um mito para outro ao sabor da imaginação dos roteiristas. Odisseu, por exemplo, é personagem do Ciclo Troiano, nada tem a ver com nenhum desses mitos e lá está ele no filme...

A película tem certa importância histórica, pois desencadeou uma série de filmes “épicos” de baixo orçamento, com ânfase na ação e em atores fisiculturistas. A maioria deles teve grande sucesso nas bilheterias entre 1958 e 1965, até serem destronados pelo gênero “spaghetti-western”, também de origem italiana.

Essas produções frouxamente inspiradas em mitos gregos, romanos e bíblicos, coletivamente conhecidas por pepla (sg. peplum, ‘túnica’) ou sword-and-sandal, ‘espada e sandálias’ são, de certa forma, precursoras das exuberantes produções holliwoodianas de meados do século XX (e.g. Ben-Hur, 1959; Spartacus, 1960).

Ficha técnica

  • Título original: Le fatiche di Ercole
  • Ano da produção: 1957
  • Diretor: Pietro Francisci
  • Produtor: Federico Teti
  • Roteiro: Ennio De Concini, Pietro Francisci e Gaio Frattini
  • Cinematografia e efeitos especiais: Mario Bava
  • Música: Enzo Masetti
  • Companhias: Galatea Film, O.S.C.A.R., Urania Film e Embassy Pictures (versão dublada em inglês, 1959)
  • Duração aproximada: 104 min
  • Eastmancolor, 35 mm

Elenco principal

  • Steve Reeves - Hercules (= Héracles)
  • Sylvia Koscina - Iole, filha de Pélias
  • Fabrizio Mioni - Jasão
  • Ivo Garrani - Pélias, rei de Iolcos
  • Gianna Maria Canale - Anteia, rainha das Amazonas
  • Arturo Dominici - Euristeu
  • Mimmo Palmara - Ífito, filho de Pélias
  • Lidia Alfonsi - a Sibila
  • Gabriele Antonini - Ulisses (= Odisseu)
  • Aldo Fiorelli - Argos
  • Afro Poli - Quíron
  • Gian Paolo Rosmino - Esculápio (= Asclépio)
  • Fulvio Carrara - Castor
  • Willi Colombini - Pólux (= Polideuces)
  • Gino Mattera - Orfeu