Eurípides / Andrômaca 1088-1119

Seção: literatura grega
E. Andr. 1088-1119c. -425
gr
texto grego

Nestas passagens, o Mensageiro relata a Peleu e Andrômaca a morte de Neoptólemo, resultado das intrigas de Orestes em Delfos.

MENSAGEIRO  (...) e em grupos  e rodas se reuniam os habitantes da terra do deus. 1090  O filho de Agamêmnon percorria a pólis  e para cada um murmurava palavras hostis:  "Vedes esse que caminha pelas câmaras  repletas de ouro do deus, tesouros dos mortais?  Ele está nelas pela segunda vez e, antes, 1095  aqui veio disposto a saquear o templo de Febo."  Daí, desagradável rumor se espalhou pela pólis.  As salas do conselho, cheias de magistrados,  e quantos encarregados das riquezas do deus,  guarda colocaram nas câmaras rodeadas de colunas.  (...) 1104  e alguém disse: “Jovem, que votos, por ti, 1105  faremos ao deus? Vieste por uma razão, uma graça?”  Ele disse: “A Febo, pelas faltas do passado  desejamos fazer justiça, pois lhe pedi  certa vez uma satisfação pelo sangue de meu pai.”  E então a história de Orestes com grande força 1110  se mostrou, que meu senhor mentia  e tinha vindo por motivos vergonhosos. (...) 1114  contra ele, homens emboscados, armados de espada, 1115  escondidos nos loureiros; disso, dessas coisas todas,  o rebento de Clitemnestra era o maquinador.  (Neoptólemo) dirigia, à vista e de pé, uma prece ao deus  e eles, armados de pontiagudas espadas,  ferem à traição o desarmado filho de Aquiles.