logo

Melisso de Samos

Seção: filosofia grega
Μέλισσος Melissus Phil. Meliss.
iiniTrirreme ateniense com remadores

Filósofo pré-socrático e eleata, influenciado por Parmênides.

Natural de Samos, onde viveu em meados do sæc. -V, Melisso foi também político e militar de alguma expressão, tendo vencido a esquadra ateniense que tentou bloquear Samos em -441.

Não há evidência de que tenha sido discípulo de Parmênides; suas ideias, no entanto, eram fortemente embasadas nos conceitos desenvolvidos pelo eleata. Afirmava que "o ser" era infinito e de magnitude ilimitada, não tinha princípio ou fim, e não podia ser destruído, pois é impossível ao "ser" tornar-se "não ser".

Melisso foi um pouco mais além das ideias de Parmênides e de Zênon de Eleia, pois acreditava em um "ser absoluto" (gr. τὸ ἁπλῶς ἐόν). Em suma, para ele a realidade era "una, não dividida, não gerada, eterna, homogênea, sem movimento e nunca mudava" (Longrigg, 1992).

Seus argumentos utilizavam o sistema de paradoxos de Zênon, mas em menor extensão e grau.

Restam apenas fragmentos de sua obra, conservados por Simplício, e alguma doxografia, notadamente em Aristóteles. A primeira edição dos fragmentos e da doxografia de Melisso é a de Brandis (1813); posteriormente, ele foi editado por Pabst (1889).

As melhores coletâneas, no momento, são a de Diels e Kranz (61951) e a de Kirk, Raven e Schofield (41994).

Os fragmentos e a doxografia foram traduzidos para o português por Gerd Bornheim em 1967 e por R. Kuhnen e Ísis L. Borges em 1973.