Teofrasto

Seção: filosofia grega570 palavras
Θεόφραστος Theophrastus Phil. Theophr.-371/-286

Sucessor de Aristóteles no Liceu, mais conhecido pelas contribuições ao estudo das plantas do que pelo resto de sua vasta obra.

O filósofo Teofrasto foi, de certa forma, o único botânico que a Antiguidade conheceu.

Biografia

Nasceu em Éreso, na ilha de Lesbos, por volta de -371. Seu pai se chamava Melanto e era um abastado pisoeiro (tintureiro). Iniciou os estudos em Lesbos com um tal Leucipo (ou Alcipo) e, por volta de -354, já estava em Atenas, onde se ligou a Platão e depois a Aristóteles.

Consta que seu verdadeiro nome era Tirtamos e que foi Aristóteles quem o apelidou de Teofrasto, lit. “o que tem eloquência divina”, nome pelo qual se tornou conhecido.

Após a morte de Platão (-347), Teofrasto acompanhou Aristóteles em Assos e em Mitilene (-345), quando seu mestre deu início a extensos estudos descritivos sobre a natureza.

iTeofrasto

Entre -343 e -340, enquanto Aristóteles se ocupava da preceptoria de Alexandre III da Macedônia, Teofrasto provavelmente continuou em Mitilene. Reencontrou Aristóteles em Estagira, algum tempo depois, e em -345, data da fundação do Liceu, voltou a Atenas.

Em -323, com o afastamento de Aristóteles, sucedeu-o na direção da escola. Após a morte de seu amigo e mestre em -322, chefiou a escola paripatética durante cerca de trinta e cinco anos; consta que, sob sua direção, ela chegou a ter cerca de dois mil alunos.

Teofrasto morreu por volta de -286 e legou todos os bens aos discípulos e à escola; foi enterrado nos jardins do Liceu.

Diógenes Laércio 5.36–57; Suda θ 199; Estrabon 13.2.4.

Pensamento e obra

Grande observador da natureza animal, vegetal e mineral, Teofrasto comentou e continuou a obra de Aristóteles e, assim como ele, teve extensa e variada produção intelectual que abrangia todas as áreas do conhecimento que existiam em sua época.

Diógenes Laércio (5.42-50) enumera mais de 200 títulos sobre os mais variados temas: filosofia, política, legislação, física, metafísica, zoologia, botânica e até tratados literários.

Assim como Aristóteles, acreditava que a observação direta era o único meio de apreender corretamente a realidade material. No caso das ciências naturais, considerava essencial o estudo das espécies animais e vegetais em seu próprio meio.

Teofrasto não foi simples imitador de Aristóteles: em várias questões apresentou conceitos e opiniões originais e divergentes das de seu mestre.

Botânica e outras ciências

Os textos de Teofrasto sobre as plantas são as mais importantes obras sobre botânica que a Antiguidade nos legou.

Somente os dois tratados sobre as plantas, Investigações sobre as Plantas (em nove livros, datado de -314) e Causas do Crescimento das Plantas (em seis livros), chegaram completos até nós.

Dispomos de fragmentos relativamente extensos dos tratados Das Pedras, Das Sensações, Do fogo e Dos odores, ligados a outras áreas da Ciência.

Sinopses

Há duas sinopses, por enquanto:

Filosofia

Na obra Opiniões dos Filósofos da Natureza (gr. Ἐκ φυσικῶν δοξῶν), Teofrasto coligiu várias passagens dos filósofos anteriores a Platão.

Esse texto sobreviveu através de fragmentos e é, em nossos dias, uma das mais importantes fontes sobre a doutrina dos filósofos pré-socráticos.

Partes importantes da Metafísica e das versões arábica e siríaca do tratado Meteorologia parecem ter sido igualmente conservadas.

Língua e literatura

Teofrasto efetuou, segundo a tradição, estudos sobre gramática e linguagem que não chegaram até nós.

Apenas uma interessante descrição de trinta “tipos morais” (dissimulação, bajulação, tagarelice, insolência, vaidade, avareza, etc.), denominado Caracteres e datado de -325/-300, sobreviveu.

Os perfis são puramente descritivos e podem ter influenciado a elaboração de alguns personagens típicos da Comédia Nova.