Simônides / F 543

Seção: literatura grega
Simon. F 543
gr
texto grego

Conhecido por Lamento de Dânae, este é um dos mais extensos fragmentos de Simônides de Ceos. Não se sabe precisamente a qual tipo de canto ele pertence.

i Dânae e Perseu no mar

O poeta aborda o mito de Dânae: a desalentada jovem e o pequeno Perseu encontram-se dentro de uma arca à deriva, no mar.

A tradução*, já publicada, é de Rafael Brunhara (2017).

Lamento de Dânae

[Dânae], na dedálea arca quando o vento soprava e o mar revolto em pavor a prostrava, não sem pranto no rosto envolveu Perseu nos braços amáveis e disse: “ah, filho, que aflição a minha! Tu dormes, com inocente peito ressonas na triste barca de brônzeas cavilhas, estendida na noite sem luz, nas trevas escuras. Da espuma do mar em teus cabelos, profunda, quando passam as ondas, tu não cuidas, nem da voz do vento: repousando em manto púrpura, é belo teu rosto. Se o que é terrível te fosse terrível, às minhas palavras darias teus pequeninos ouvidos. Dorme, meu bebê, te peço; dorme, ó mar; dorme, ó mal imensurável! Que surja de ti um sinal de mudança, Zeus Pai, de tua vontade! Mas se minha prece é insolente ou sem justiça, perdoa-me.”
(*) Tradução CC BY-NC 4.0