145g
0145gX

Tesouro de Atreu

-1350/-1100

Vista aérea do túmulo-tolo (entrada visível no centro da foto). Micenas
Vestígios do friso de cima do portal

 
0145
Tesouro de Atreu / imagem principal
 
0145a
Dromos e portal
 
0145b
Parede lateral do dromos
 
0145c
O dromos a partir do portal
 
0145d
O portal
 
0145e
O lintel do portal
 
0145f
Reconstrução da pilastra do pórtico
 
0145g
Vestígios do friso de cima do portal
 
0145h
Vestígios da decoração do portal
 
0145i
Interior da abóbada e entrada da câmara lateral
 
0145j
Entrada da câmara lateral
 
0145k
Face interna superior da abóbada
AcervoLondres, Museu BritânicoImagemSteven Zucker, 01/01/2012Fonte / ©FlickRLicençaCC BY-NC-SA 2.0Iluminura0145g

Comentários

O sugestivo nome desse túmulo foi dado por Schliemann em 1876-1877, quando descobriu a estrutura. Na realidade, trata-se de um grande túmulo abobabado, escavado em um dos lados de um outeiro, que não tem absolutamente nada a ver com o lendário Atreu, pai dos heróis homéricos Agamêmnon e Menelau.

Fig. 0039. Aspecto externo.
Fig. 0040. Corte longitudinal ao longo do dromos.
Fig. 0041. Planta.
Fig. 0042. Corte longitudinal na altura da abóbada.
Fig. 0043. Reconstituição do pórtico e seus ornamentos.

De acordo com Stierlin (1997, p. 29-30), “o Tesouro de Atreu é o maior dos tolos funerários de Micenas. O dromos (corredor de entrada) tem 36m de comprimento e 6m de largura; as paredes laterais sobem a uma altura de 14m. Sobre a porta monumental, de 5,4m de altura, repousa um impressionante lintel monolítico (Ilum. 0145d-e). Este grande bloco, que mede 7m por 6m e 1,4m de espessura, tem volume total de quase 60 m3 e pesa mais de 120 toneladas. Em seu topo há um arco triangular em relevo, feito de pedras ciclópicas de suporte, como na Porta dos Leões. (...) A mesma técnica de suporte foi usada na câmara abobadada, que mede 14.5m de diâmetro e se eleva por meio de uma série de trinta e três fileiras concêntricas até o topo da edificação, a uma altura de 13,2 m” (Ilum. 0145k).

A iluminura supra e a Fig. 0039 mostram o aspecto exterior do túmulo-tolo; as demais iluminuras e figuras são esquemas e detalhes do aspecto do corredor de entrada, do pórtico e da câmara abobadada. As figuras humanas dão ideia da monumentalidade da construção e do tamanho das pedras.

As Ilum. 0145a-e mostram o corredor de entrada (dromos), o pórtico de entrada, o corredor e a porta com seu pesado lintel, encimado por espaço triangular. A Ilum. 0145e mostra detalhes da parede direita do dromos.

Os esquemas das Fig. 0040-42 mostram diversas perpectivas da estrutura do Tesouro de Atreu: as Fig. 0040 e 0042, cortes esquemáticos; as Fig. 0041a-d, uma planta terrestre. Note-se que na abóbada há uma pequena câmara lateral, cuja entrada pode ser vista nas Ilum. 0145i-j. A abóbada do túmulo-tolo, vista do interior e a partir de baixo (Fig. 0042 e Ilum. 0145k), tem formato aproximadamente cônico.

As Ilum. 0145f-h mostram o que resta do friso que recobria o espaço triangular da entrada, constituído por um relevo de espirais interligadas, motivo comum a todas as culturas egeias da Idade do Bronze (iluminuras relacionadas).

Na Fig. 0043 temos uma reconstituição artística da fachada do portal, que certamente era fechado por uma porta (Ilum. 0145f). As colunas (Ilum. 0145f e Fig. 0043) eram com certeza muito semelhantes às colunas dos palácios minoicos.

Durante 1300 anos, até o início do Período Greco-romano, esta edificação era a mais alta construção abobadada da História da Arquitetura (Stierlin, 1997, p. 32).