Píndaro / Nemeia 6.1.-13

Seção: literatura grega
Pi. N. 6.1-13-473 / -463
iiniOs meninos boxeadores
gr
texto grego

Este pequeno trecho, que menciona a descendência comum de deuses e homens a partir de Gaia, foi gentilmente preparado por Fernando Brandão dos Santos, professor de Língua e Literatura Grega da FCLAr-UNESP, que acrescentou uma breve introdução e algumas notas especialmente para a página:

O texto que apresentamos aqui[1] é a primeira estrofe da Sexta Nemeia, composta por ocasião da vitória nos Jogos Nemeus (modalidade de luta para meninos) do garoto Alcimida, nascido em Egina (uma das ilhas mais próximas de Atenas, junto com Salamina), e pertencendo à importante família dos Bassidas, considerada uma das mais antigas.

Referências ao nome do treinador de Alcimida, o famoso Milésias, faz com que os estudiosos datem-na por volta de -460 ou antes. A ode inteira ressalta as vitórias e as derrotas da família, daí, em sua primeira estrofe, Píndaro fazer alusão à diferença entre os mortais e imortais, embora ambos tenham uma origem comum.

Para Alcimida menino egineta pugilista
Uma só de homens,    uma só raça de deuses: de uma só mãe respiramos ambos. Se-    para-as, porém, todo o poder distinguindo-as, de forma que uma é nada,    mas sede sempre inabalável permanece, brônzeo, o céu. Porém, em todo caso, em algo nos as-    semelhamos, quer pelo grandioso espírito, quer pela natureza, ao imortais,    embora nem durante um dia sabedores nem à noite    até que marca o destino traçou-nos caminhar.[2]