Alceu / Fragmentos

Seção: literatura grega
Alc. Fr. 346, 335 -630 / -580
gr
texto grego

A tradução do segundo fragmento de Alceu é de Maria Celeste C. Dezotti, professora de língua e literatura grega da FCLAr-UNESP, que gentilmente permitiu sua reprodução na página.

F 346 / O vinho
Bebamos! Por que aguardarmos as lucernas? Já só há um palmo de dia. Retira, célere, dos pregos, as grandes taças. O vinho que dissipa aflições, doou-o aos homens o filho de Zeus e de Sêmele. Deita-o nas taças, uma parte para duas 5 cheias até a borda, e que um cálice empurre o outro.

F 335
Não se deve entregar o coração a coisas ruins pois nada lucraremos entristecendo-nos, ó Bíquis, e o melhor remédio é mandar que nos tragam vinho para nos embriagarmos.