logo
456
0456X

Afrodite de Cnido

sæc. ii ?

Torso feminino. Cópia romana de mármore

Praxíteles (original)

 
0456
Afrodite de Cnido / imagem principal
 
0456a
Outra cópia de mármore. Munique, Glyptothek
 
0456b
Afrodite Cnidiana Ludovisi. Roma, Palazzo Altemps
AcervoMuseu de Arte e História de GenebraImagemFrancesco Bini, 20/05/2014Fonte / ©Wikimedia CommonsLicençaCC BY-SA 3.0Iluminura0456

Comentários

A “Afrodite” do escultor Praxíteles (c. -370/-330), criada por volta de -350/-340, foi uma das estátuas mais copiadas da Antiguidade. As Fig. 0456a-b mostram duas outras cópias e a Fig. 0445 (imagines alterae), um grupo escultório inspirado na obra de Praxíteles.

A Afrodite de Praxíles foi a primeira obra grega de culto, em tamanho natural, a representar a mulher completamente nua e sensual. Sua influência na História da Arte foi imensa, pois inspirou enorme variedade de nus femininos de maior ou menor apelo erótico nos séculos seguintes.

A naturalidade, graça e beleza da escultura original de Praxíteles tornou-se lendária; Luciano de Samósata, escritor do século II, conta a anedota de um homem que, preso por acidente no templo de Afrodite durante a noite, atacou sexualmente a estátua...

Segundo Ateneu (13.590–1), Praxíteles se inspirou no corpo da belíssima hetera[1] Frine, cujo nome verdadeiro era Mnesarete (gr. Μνησαρέτη), para esculpir a Afrodite.