051
0051X

Gregos contra amazonas

-360/-350

Placa 1014 do friso da amazonomaquia. Mausoléu de Halicarnasso, Bodrum, Turquia

 
0051
Gregos contra amazonas / imagem principal
 
0051a
Reconstrução de Geoffrey Waywell
 
0051b
Um dos cavalos da quadriga
 
0051c
Um dos leões
 
0051d
Placa 1032 da centauromaquia
 
0051e
Estátuas colossais feminina e masculina
 
0051f
Placa 1006 da amazonomaquia
 
0051g
Placa 1020 da amazonomaquia
 
0051h
Placa 1022 da amazonomaquia
 
0051i
Placa 1015 da amazonomaquia
 
0051j
Parte dianteira de leopardo
 
0051k
Cabeça masculina
 
0051l
Cavaleiro persa
AcervoLondres, Museu BritânicoImagemMarie-Lan Nguyen, 15/05/2011Fonte / ©Wikimedia CommonsLicençaCC BY 2.5Iluminura0051

Comentários

O Mausoléu de Halicarnasso (gr. Μαυσωλεῖον τῆς Ἁλικαρνασσοῦ), uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo[1], é um monumento erguido pelo sátrapa persa Mausolo, morto em -353. A construção continuou aos cuidados de Artemísia II, irmã e esposa do sátrapa, que morreu em -351, e foi terminada algum tempo depois. A palavra moderna “mausoléu” deriva justamente do nome “Mausolo”.

A Cária[2], região onde ficava Halicarnasso, era controlada pelos persas, mas os arquitetos e escultores responsáveis eram gregos. Píteo de Priene e Sátiro foram, aparentemente, os arquitetos; famosos escultores da época, como Escopas de Paros, Timóteo, Briaxis e Leocares trabalharam nas esculturas e frisos. Infelizmente, não é possível afirmar em que parte das esculturas cada um deles trabalhou.

Consta que o Mausoléu tinha quatro níveis, ocupava uma área de 60 x 80 metros com 46 metros de altura e que o terraço era cercado de 36 colunas. No topo, havia uma colossal carruagem com quatro cavalos (Fig. 0051b) e, abaixo, diferentes níveis com grupos de esculturas e frisos, nesta ordem: estátuas de leões (Fig. 0051c), friso dos gregos contra os centauros (= centauromaquia, Fig. 0051d), figuras humanas colossais (Fig. 0051e), um friso representando gregos contra amazonas (= amazonomaquia, iluminura e Fig. 0051f-i), grupos escultórios com cenas de caça ou de sacrifício (Fig. 0051j), figuras humanas um pouco maiores do que o natural (Fig. 0051k) e cenas de batalhas em tamanho natural (Fig. 0051l).

Não se pode afirmar que duas das estátuas colossais, apelidadas de “Mausolo” e “Artemísia” (Fig. 0051e), efetivamente reproduzam as feições do sátrapa e de sua esposa-irmã. A Fig. 0051a mostra uma das numerosas reconstruções do mausoléu e a possível posição dos grupos de esculturas e frisos (Waywell, 1989).

Um terremoto derrubou o monumento em 1304 e suas pedras foram usadas pelos Cavaleiros de St. Jean para construir a Fortaleza de Bodrum durante os séculos XIV-XV. Diversos fragmentos foram recuperados da fortaleza e do sítio original em meados do século XIX por Lord Stratford de Redcliffe e por Charles Thomas Newton.