logo
954
0954X

Fragmento da ‘Atlântida’ de Helânico

início do sæc. ii

Papiro de Oxirrinco, Egito (P. Oxy. 08.1084, col. 2)

AcervoBiblioteca Firestone da Universidade de PrincetonImagemAPIS ProjectFonteWikimedia CommonsLicençaDomínio públicoIluminura0954
Comentários

Papiro paraliterário, escrito em unciais romanas (letras maiúsculas); constitui o Fragmento 19b Fowler de Helânico de Lesbos.

À esquerda, transcrição do texto, linha a linha; à direita, alguns dos nomes míticos que aparecem (em negrito na transcrição grego / tradução):

Linha Transcrição Tradução
1 νων ἐν σπῆϊ· τ[ῶν  
2 δὲ γίγνεται ῾Ερμ[ῆς Hermes
3 φιλήτης, ὅτι αὐ‐  
4 τῆι φιλησίμ[ως  
5 συνεκο̣ιμ̣[ᾶτο·  
6 καὶ γ[ίγνεται θε‐  
7 ῶν κῆ[ρυξ] ἀγήρ[αος  
8 καὶ ἀθάνατος. Κ[ε‐ Ce-
9 λαινοῖ δὲ μίσγε‐ < leno
10 ται Ποσειδέων· < Posídon
11 τῶν δὲ γίγνεται  
12 Λύκος, ὃν ὁ πατὴρ Lico
13 κατοικίζει ἐν μα‐  
14 κάρων νήσοις, <  
15 καὶ ποιεῖ ἀθάνα‐  
16 τον. Τηϋγέτηι δὲ Taígete
17 [Ζε]ὺς μίσγεται· τῶν Zeus

Nessa obra perdida, Atlântida, Helânico catalogou as ligações amorosas das filhas de Atlas e seus descendentes. O estilo se assemelha ao de Hesído: A uniu-se amorosamente (gr. μίσγεται) a B, e C nasceu.

No fragmento, apenas duas Plêiades são mencionadas, Celeno e Taígete. Maia, a mãe de Hermes, o qual aparece na linha 2, era provavelmente mencionada um pouco antes da linha 1. As linhas 8-16 contêm enunciado completo:

Κελαινοῖ δὲ μίσγεται Ποσειδέων· τῶν δὲ γίγνεται Λύκος, ὃν ὁ πατὴρ κατοικίζει ἐν μακάρων νήσοις, καὶ ποιεῖ ἀθάνατον. Celeno uniu-se amorosamente a Posídon e deles nasceu Lico, a quem o pai estabeleceu nas ilhas dos Bem-Aventurados[1] e tornou imortal.
Notas
[ utilize os recursos do navegador para VOLTAR ao texto ]
  1. Após a morte terrena, os deuses enviavam seus escolhidos para as ‘ilhas dos bem-aventurados’ (gr. Μακάρων νῆσοι, Od. 4.561) onde levavam nova vida, perfeita e agradável. O local era vagamente situado no extremo oeste do rio Oceano, metáfora para lugares distantes e inalcançáveis. Na época clássica falava-se dos ‘campos Elíseos’ (gr. sg. Ἠλύσιον πέδιον), prado aprazível e de grande beleza situado igualmente na margem de Oceano; nas versões tardias dos mitos, situava-se o Ἡλύσιον em algum lugar do hades, o mundo subterrâneo dos mortos. É essa, aparentemente, a origem da crença de cristãos e muçulmanos no céu.