logo
008
0008X

O nascimento de Afrodite

c. -460

“Trono Ludovisi”, baixo relevo de mármore da Magna Graecia / Painel central

 
0008
Painel central.
 
0008a
Vista posterior direita / Paineis central e lateral direito
 
0008b
Mulher nua toca um aulo / Painel lateral esquerdo
 
0008c
Mulher vestida prepara incenso / Painel lateral direito
AcervoRoma, Museu Nacional RomanoInventário85702ImagemMarie-Lan Nguyen, 2009FonteWikimedia CommonsLicençaDomínio públicoIluminura0008
Comentários

Bloco de três faces com relevos na parte externa, descoberto em 1887 na Villa Ludovisi, Roma; trata-se, provavelmente, de obra grega original. As Ilum. 0008a-c mostram o “trono” em diversos ângulos.

No painel central, uma divindade nua sai do mar (ou de um rio) com o auxílio de duas mulheres. Notar, além disso, as pedras, semelhante ao cascalho de rios ou de praias, sob os pés das duas ajudantes.

Trata-se, provavelmente, de uma Ἀφροδίτη ἀναδυομένη, ‘Afrodite que sai do mar’, representação que evoca o nascimento da deusa a partir da espuma do mar, formada pelo esperma de Urano. A deusa aparece seminua ou “pouco vestida”, coisa raramente vista durante o Período Clássico. As ajudantes são, talvez, duas Horas.

Esse era o título da célebre pintura de Ápeles de Cós (fl. sæc. -IV), cuja descrição conhecemos graças às informações de Estrabon (14.2.19) e de Plínio, o Antigo (HN 35.91). Imagens com esse tema mostram a deusa emergindo de uma concha, como nas [Ilum. 0457] e [Ilum. 0912], ou diretamente do mar, como na imagem supra.

No painel lateral direito, uma mulher vestida prepara o incenso; no painel esquerdo, mulher nua de pernas cruzadas (uma hetera?)[1] toca um aulo. Essa postura é raríssima na arte grega antiga.

Notas
[ utilize os recursos do navegador para VOLTAR ao texto ]
  1. As heteras (gr. sg. ἑταίρα) eram cortesãs gregas de alto nível, usualmente educadas e sofisticadas, espécie de acompanhantes que também mantinham relações sexuais com os clientes, com quem muitas vezes desenvolviam relacionamentos estáveis. As prostitutas propriamente ditas (gr. sg. πόρνη) prestavam serviços de natureza puramente sexual, avulsos e via de regra em bordéis, mas a diferença entre esse dois tipos era, às vezes, muito fluida. Havia também prostituição masculina, mas aparentemente só do segundo tipo.
    Imagem: hetera em cálice ático de figuras vermelhas. Macron, c. -490, New York, Museu Metropolitano de Arte. Marie-Lan Nguyen (2011) CC BY 2.5.