Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO
1070 palavras

O pentatlo

Ἴσθμια καὶ Πυθοῖ Διοφῶν ὁ Φίλωνος ἐνίκα
ἅλμα, ποδωκείην, δίσκον, ἄκοντα, πάλην.

Nos jogos Ístmicos e Píticos, Diofonte, filho de Fílon, venceu
o salto à distância, a corrida à pé, o lançamento de disco, de dardo e a luta.

 
 
Atletas treinando para o pentatlo

O pentatlo (gr. πένταθλον), literalmente ‘cinco competições atléticas’, foi introduzido nos jogos olímpicos de -708 (18ª Olimpíada), mas assumiu sua forma mais conhecida por volta de -600. Na primeira metade do século -V a modalidade foi introduzida nos jogos píticos, nos jogos nemeus e nas panateneias. O prêmio era concedido de acordo com o desempenho do atleta no conjunto de competições.

As provas eram a corrida a pé (provavelmente o estádio, gr. στάδιον), o lançamento de dardo (gr. ἄκων), o lançamento de disco (gr. δίσκος), o salto à distância (gr. ἅλμα) e a luta (gr. πάλη), disputadas em sequência e em um único dia. Não sabemos a ordem exata das provas, que pode ter variado ao longo do tempo; na época de Xenofonte (Helênicas 7.4.29) a luta era certamente a última delas.

As três provas exclusivas

O lançamento de disco, o salto à distância e o lançamento de dardo eram competições exclusivas do pentatlo, pelo menos em tempos históricos, enquanto a corrida à pé e a luta eram também disputadas de forma isolada em outros jogos antigos. Houve, pelo menos em Olímpia e Nemeia, certames específicos para rapazes (Pausânias 5.9.1; Píndaro, Nemeias 7.7-9).

Filóstrato (Da Ginástica 31) detalhou que o pentatleta devia ser alto, bem construído, com musculatura bem proporcionada, dedos e pernas longos e quadris flexíveis. Aristóteles (Retórica 1361b) destacou a beleza física desses atletas, consequência do empenho, da habilidade e do preparo físico necessários para participar da complexa prova.

Lançamento de disco

O arremesso do disco é mencionado por Homero em várias instâncias (Ilíada 2.773-4, 23.431-3, 23.523-24; Odisseia 4.625-6, 8.186-98, 17.167-8). Píndaro (Ístmicas 1.24-7) conta que na época heroica, antes do pentatlo, havia prêmios para o lançamento de disco e de dardo. Mortes acidentais pelo disco fazem parte do mito de Perseu e do mito de Apolo e Jacinto.

O discóbolo (gr. δισκοβόλος)

O atleta lançava o disco com a mão direita, a partir de uma base ou marcação (gr. βαλβίς), apoiado na perna esquerda e após girar a parte direita do corpo para dar impulso (Píndaro, Olímpicas 10.71-2; Filóstrato, Imagens 1.24)[1]. Na prova, cada atleta arremessava possivelmente três discos (Pausânias 6.19.4), mas essa regra talvez variasse de acordo com o local dos jogos. A postura inicial do competidor era tema muito popular na arte grega e na arte romana.

O tamanho do disco, inicialmente de pedra [Ilum. 370] e mais tarde de bronze, variava de acordo com a competição: mais ou menos 17-35 cm de diâmetro e 1,5-6,5 kg de peso. Para os certames dos rapazes eram usados, certamente, discos menores e mais leves. Quem lançava mais longe vencia a prova.

Lançamento de dardo

Homero também menciona essa modalidade na Ilíada (2.774, 23.884-97) e na Odisseia (4.625-617.167-8).

Lançamento de dardo

O dardo, feito de madeira leve e com ponta de metal, tinha mais ou menos dois metros e, como o disco, era lançado a partir de um marco ou limite, dentro de área delimitada. O atleta corria até o marco e lançava o dardo por cima do ombro [Ilum. 1274a] com a ajuda de uma fina tira (gr. ἀγκύλη), presa mais ou menos no meio do projétil. Essa tira era especificamente chamada de μεσάγκυλον.

O dardo precisava cair de ponta e o vencedor era aquele que lançava mais longe (Píndaro, Píticas 1.42-5, Nemeias 7.70-3), não se se sabe depois de quantas tentativas.

Lanças eram usadas há milênios por caçadores e soldados de diversas culturas, e memória desses antecedentes guerreiros persistia nas panateneias. Em uma das provas, o dardo era arremessado por cavaleiros, e contra um alvo [Ilum. 1275].

Salto à distância

Para Filóstrato (Da Ginástica 35), essa era a mais difícil das provas do pentatlo. Nos textos mais antigos, o salto é mencionado apenas na Odisseia (8.100 e 128) e nas Nemeias de Píndaro (7.19-22).

Salto à distância

Sabemos que os atletas partiam de uma base (gr. βατήρ), provavalmente apenas uma espécie de marca, e saltavam com a ajuda de halteres (gr. ἁλτῆρες) sobre uma área de terra revolvida para atenuar a queda (gr. σκάμμα). O tamanho dos halteres era variável, assim como o peso (1,4 a 4,5 kg). Segundo Aristóteles (Do Movimento dos Animais 705a), os atletas pulavam mais longe com os halteres do que sem eles. Dada a dificuldade da prova, um auleta podia acompanhar o salto para ajudar na concentração e coordenação de movimentos (Pausânias 5.17.10; Filóstrato, Da Ginástica 55).

Aparentemente o competidor corria até a base, saltava e balançava os halteres para a frente após a partida, mantinha-os para trás enquanto estava no ar e deixava-os cair um pouco antes da queda (Kyle 22015, p. 118). Muitas dúvidas persistem quanto à exata natureza da prova; alguns estudiosos acreditam até mesmo que ocorriam sucessivos saltos, e não apenas um.

Naturalmente, vencia quem pulava mais longe e caía adequadamente. Expressões sobre atingir ou ultrapassar a área preparada para o salto, i.e., atender ou ultrapassar as expectativas, se tornaram proverbiais (Platão, Crátilo 413a; Zenóbio 6.23; Suda β.181 e υ.363).

Alguns vencedores célebres

Não se sabe exatamente qual o critério utilizado para designar o vencedor do pentatlo. Há várias hipóteses e uma delas, por exemplo, imagina que o prêmio era concedido ao atleta que vencia pelo menos três provas.

Os vencedores das Olimpíadas de -708 foi Lampis, de Esparta. O atleta Filombroto, também de Esparta, venceu a prova em três olimpíadas sucessivas, -676, -672 e -668. Acmatidas de Esparta venceu em -500, aproximadamente, “sem oposição”, possivelmente por causa de expressiva superioridade em relação aos outros competidores.

Segundo a tradição, Faílo (gr. Φάϋλλος) de Crotona obteve três vitórias em Delfos no início do século -V, duas delas no pentatlo. Ele saltou cinco pés além dos 50 pés regulamentares da σκάμμα — e consta que essa façanha deu origem aos provérbios...

Um epigrama atribuído a Simônides (Antologia Palatina 13.19) afirma que Nicolaidas de Corinto (sæc. -V) venceu uma vez em Delfos, três vezes em Ístmia e três vezes em Nemeia, uma vez em Atenas e diversas vezes em jogos de menor importância. Se isso corresponde à realidade, Nicolaidas foi o maior pentatleta da Antiguidade, inigualado ou ultrapassado até hoje.

Phaÿllos of Croton Nicoladas of Corinth Simonides pentathlon

Outras iluminuras

 
0370
Disco para lançamento.
Museu Arqueológico de Ístmia
 
0342
Peso para salto à distância.
Museu Arqueológico de Ístmia

Notas

  1. Em tempos modernos, o lançamento é mais “livre”, com giro completo do corpo antes do lançamento.

Referências

Donald G. Kyle, Sport and Spectacle in the Ancient World, Chichester, John Wiley & Sons, 22015.

Créditos das ilustrações

i1274Atletas treinando para o pentatlo → Ver comentários.
i0783O discóbolo → Ver comentários.
i1284Os atletas do pentatlo → Ver comentários.
i1190O pentatlo → Ver comentários.
i1285Atleta prepara o arremesso de dardo → Ver comentários.
i0370Disco para lançamento → Ver comentários.
i0342Peso para salto à distância → Ver comentários.

Imprenta

Artigo nº 1156, publicado em 20/01/2019.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. O pentatlo. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=1156. Consulta: 23/02/2019.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 21/02/2019 ← novidades Contato Outras páginas do autor Créditos
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2019