Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO
1070 palavras

O pentatlo

Ἴσθμια καὶ Πυθοῖ Διοφῶν ὁ Φίλωνος ἐνίκα
ἅλμα, ποδωκείην, δίσκον, ἄκοντα, πάλην.

Nos jogos Ístmicos e Píticos, Diofonte, filho de Fílon, venceu
o salto à distância, a corrida à pé, o lançamento de disco, de dardo e a luta.

 
 
Atletas treinando para o pentatlo

O pentatlo (gr. πένταθλον), literalmente ‘cinco competições atléticas’, foi introduzido nos jogos olímpicos de -708 (18ª Olimpíada), mas assumiu sua forma mais conhecida por volta de -600. Na primeira metade do século -V a modalidade foi introduzida nos jogos píticos, nos jogos nemeus e nas panateneias. O prêmio era concedido de acordo com o desempenho do atleta no conjunto de competições.

As provas eram a corrida a pé (provavelmente o estádio, gr. στάδιον), o lançamento de dardo (gr. ἄκων), o lançamento de disco (gr. δίσκος), o salto à distância (gr. ἅλμα) e a luta (gr. πάλη), disputadas em sequência e em um único dia. Não sabemos a ordem exata das provas, que pode ter variado ao longo do tempo; na época de Xenofonte (Helênicas 7.4.29) a luta era certamente a última delas.

As três provas exclusivas

O lançamento de disco, o salto à distância e o lançamento de dardo eram competições exclusivas do pentatlo, pelo menos em tempos históricos, enquanto a corrida à pé e a luta eram também disputadas de forma isolada em outros jogos antigos. Houve, pelo menos em Olímpia e Nemeia, certames específicos para rapazes (Pausânias 5.9.1; Píndaro, Nemeias 7.7-9).

Filóstrato (Da Ginástica 31) detalhou que o pentatleta devia ser alto, bem construído, com musculatura bem proporcionada, dedos e pernas longos e quadris flexíveis. Aristóteles (Retórica 1361b) destacou a beleza física desses atletas, consequência do empenho, da habilidade e do preparo físico necessários para participar da complexa prova.

Lançamento de disco

O arremesso do disco é mencionado por Homero em várias instâncias (Ilíada 2.773-4, 23.431-3, 23.523-24; Odisseia 4.625-6, 8.186-98, 17.167-8). Píndaro (Ístmicas 1.24-7) conta que na época heroica, antes do pentatlo, havia prêmios para o lançamento de disco e de dardo. Mortes acidentais pelo disco fazem parte do mito de Perseu e do mito de Apolo e Jacinto.

O discóbolo (gr. δισκοβόλος)

O atleta lançava o disco com a mão direita, a partir de uma base ou marcação (gr. βαλβίς), apoiado na perna esquerda e após girar a parte direita do corpo para dar impulso (Píndaro, Olímpicas 10.71-2; Filóstrato, Imagens 1.24)[1]. Na prova, cada atleta arremessava possivelmente três discos (Pausânias 6.19.4), mas essa regra talvez variasse de acordo com o local dos jogos. A postura inicial do competidor era tema muito popular na arte grega e na arte romana.

O tamanho do disco, inicialmente de pedra [Ilum. 370] e mais tarde de bronze, variava de acordo com a competição: mais ou menos 17-35 cm de diâmetro e 1,5-6,5 kg de peso. Para os certames dos rapazes eram usados, certamente, discos menores e mais leves. Quem lançava mais longe vencia a prova.

Lançamento de dardo

Homero também menciona essa modalidade na Ilíada (2.774, 23.884-97) e na Odisseia (4.625-617.167-8).

Lançamento de dardo

O dardo, feito de madeira leve e com ponta de metal, tinha mais ou menos dois metros e, como o disco, era lançado a partir de um marco ou limite, dentro de área delimitada. O atleta corria até o marco e lançava o dardo por cima do ombro [Ilum. 1274a] com a ajuda de uma fina tira (gr. ἀγκύλη), presa mais ou menos no meio do projétil. Essa tira era especificamente chamada de μεσάγκυλον.

O dardo precisava cair de ponta e o vencedor era aquele que lançava mais longe (Píndaro, Píticas 1.42-5, Nemeias 7.70-3), não se se sabe depois de quantas tentativas.

Lanças eram usadas há milênios por caçadores e soldados de diversas culturas, e memória desses antecedentes guerreiros persistia nas panateneias. Em uma das provas, o dardo era arremessado por cavaleiros, e contra um alvo [Ilum. 1275].

Salto à distância

Para Filóstrato (Da Ginástica 35), essa era a mais difícil das provas do pentatlo. Nos textos mais antigos, o salto é mencionado apenas na Odisseia (8.100 e 128) e nas Nemeias de Píndaro (7.19-22).

Salto à distância

Sabemos que os atletas partiam de uma base (gr. βατήρ), provavalmente apenas uma espécie de marca, e saltavam com a ajuda de halteres (gr. ἁλτῆρες) sobre uma área de terra revolvida para atenuar a queda (gr. σκάμμα). O tamanho dos halteres era variável, assim como o peso (1,4 a 4,5 kg). Segundo Aristóteles (Do Movimento dos Animais 705a), os atletas pulavam mais longe com os halteres do que sem eles. Dada a dificuldade da prova, um auleta podia acompanhar o salto para ajudar na concentração e coordenação de movimentos (Pausânias 5.17.10; Filóstrato, Da Ginástica 55).

Aparentemente o competidor corria até a base, saltava e balançava os halteres para a frente após a partida, mantinha-os para trás enquanto estava no ar e deixava-os cair um pouco antes da queda (Kyle 22015, p. 118). Muitas dúvidas persistem quanto à exata natureza da prova; alguns estudiosos acreditam até mesmo que ocorriam sucessivos saltos, e não apenas um.

Naturalmente, vencia quem pulava mais longe e caía adequadamente. Expressões sobre atingir ou ultrapassar a área preparada para o salto, i.e., atender ou ultrapassar as expectativas, se tornaram proverbiais (Platão, Crátilo 413a; Zenóbio 6.23; Suda β.181 e υ.363).

Alguns vencedores célebres

Não se sabe exatamente qual o critério utilizado para designar o vencedor do pentatlo. Há várias hipóteses e uma delas, por exemplo, imagina que o prêmio era concedido ao atleta que vencia pelo menos três provas.

Os vencedores das Olimpíadas de -708 foi Lampis, de Esparta. O atleta Filombroto, também de Esparta, venceu a prova em três olimpíadas sucessivas, -676, -672 e -668. Acmatidas de Esparta venceu em -500, aproximadamente, “sem oposição”, possivelmente por causa de expressiva superioridade em relação aos outros competidores.

Segundo a tradição, Faílo (gr. Φάϋλλος) de Crotona obteve três vitórias em Delfos no início do século -V, duas delas no pentatlo. Ele saltou cinco pés além dos 50 pés regulamentares da σκάμμα — e consta que essa façanha deu origem aos provérbios...

Um epigrama atribuído a Simônides (Antologia Palatina 13.19) afirma que Nicolaidas de Corinto (sæc. -V) venceu uma vez em Delfos, três vezes em Ístmia e três vezes em Nemeia, uma vez em Atenas e diversas vezes em jogos de menor importância. Se isso corresponde à realidade, Nicolaidas foi o maior pentatleta da Antiguidade, inigualado ou ultrapassado até hoje.

Phaÿllos of Croton Nicoladas of Corinth Simonides pentathlon

Iluminuras complementares

Notas

  1. Em tempos modernos, o lançamento é mais “livre”, com giro completo do corpo antes do lançamento.

Referências

Donald G. Kyle, Sport and Spectacle in the Ancient World, Chichester, John Wiley & Sons, 22015.

Créditos das ilustrações

i1274Atletas treinando para o pentatlo → Ver comentários.
i0783O discóbolo → Ver comentários.
i1284Os atletas do pentatlo → Ver comentários.
i1190O pentatlo → Ver comentários.
i1285Atleta prepara o arremesso de dardo → Ver comentários.
i0370Disco para lançamento → Ver comentários.
i0342Peso para salto à distância → Ver comentários.

Imprenta

Artigo nº 1156, publicado em 20/01/2019.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. O pentatlo. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=1156. Consulta: 24/08/2019.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 24/08/2019 ← novidades Contato Outras páginas do autor Créditos
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2019