logo
\ 810 palavras

Timocles

Τιμοκλῆς Timocles Comicus Timocl. fl. -340 / -317
 
Máscara de hetera

Poeta cômico, viveu no ocaso do gênero conhecido por comédia intermediária.

Timocles floresceu entre -340 e -317, no final da etapa conhecidade por comédia intermediária. Nada mais sabemos de sua vida, a não ser que era ateniense (Suid. s.v.)[1]. Conhecemos, além do curto verbete da Suda, 28 títulos de comédias e dispomos de 42 fragmentos, quase todos conservados por Ateneu.

Há uma certa predominância, nos fragmentos, de menções a heteras[2], a parasitas e a políticos de sua época. Dada a efervescência política da segunda metade do século -IV, quando Atenas estava às voltas com as intervenções de Felipe II nos territórios gregos, é natural que Timocles, assim como outros poetas cômicos contemporâneos, tenha revivido as diatribes da comédia antiga contra os políticos do momento.

Alguns temas

Demóstenes (-384/-322)

Timocles não apreciava, aparentemente, nem Demóstenes (Ps.-Plu. X Orat. 845b) e nem seu inimigo Hipérides. Demóstenes é sarcasticamente descrito, na comédia Heróis (gr. Ἥρωες), como um homem que ‘devora catapultas e espadas e tem Ares nos olhos’... mas é covarde demais para lutar. Em Delos (gr. Δῆλος), o poeta satirizou os políticos corruptos de forma geral, mas citou explicitamente o orador Hipérides e sua glutonaria; Hipérides e outros são também bastante criticados na comédia Sátiros icários (gr. Ἰκάριοι σάτυροι)[3], na qual Timocles também parodiou o Prometeu Acorrentado de Ésquilo.

Paródias de tragédias e comédias antigas estavam entre seus temas favoritos. Na comédia Ὀρεσταυτοκλείδης, ‘Orestautocleide’ — algo como Autocleide no papel de Orestes — ele parodiou uma célebre cena da tragédia Eumênides, de Ésquilo: Autocleide, notório pederasta, em dado momento encontra-se cercado não de furiosas erínias, mas de uma dúzia de heteras idosas e adormecidas.

Em Mulheres que celebram as Dionísias (gr. Διονυσιάζουσαι, c. -330/-327), Timocles criou uma engraçada teoria da consolação por meio da tragédia, satirizando ao mesmo tempo os três grandes poetas trágicos (Ésquilo, Sófocles, Eurípides) e o “excessivo” valor que os intelectuais da época davam à tragédia. Como se vê pelo título, até mesmo Aristófanes e sua comédia As mulheres que celebram as Tesmofórias foram devidamente parodiados.

Outro título, Amigo dos jurados (gr. Φιλοδικαστής), evoca outra comédia de Aristófanes, Vespas.

O deus egípcio Thot

Timocles fez, também, críticas “sociais”. Em Neera (gr. Νέαιρα), um homem lamenta ter gasto muito dinheiro com uma hetera quando ela era pobre, e não conseguir encontrá-la agora, que a situação dela melhorou, e em Sátiros icários, diz que a hetera Pitionice ‘recebe presentes e nunca está satisfeita’, com duplo sentido.

Em Pequena Serpente (gr. Δρακόντιον), Cartas (gr. Ἐπιστολαί), Pugilista (gr. Πύκτης), Alegrando-se com a desgraça alheia (gr. Ἐπιχαιρέκακος) e em várias outras comédias, o poeta satiriza e às vezes até elogia comicamente os parasitas.

Os mitos naturalmente não escaparam de sua verve e são mencionados em vários fragmentos, e.g. na comédia Dioniso (gr. Διόνυσος), que provavelmente colocava o deus no palco, e as já mencionadas Heróis e Sátiros icários. Comédias com sátiras míticas específicas são incomuns; em Egípcios (gr. Αἰγύπτιοι), no entanto, Timocles satirizou especificamente o hábito egípcio de adorar deuses com forma de animais. Na comédia Conísalo (gr. Κονίσαλος ) ridicularizou uma divindade menor, similar ao itifálico Príapo.

Coletâneas do Portal

Passagens selecionadas, com tradução:

Edições e traduções

Depois da editio princeps de Ateneu (Aldina, 1514), fonte de numerosos fragmentos cômicos, diversas edições reuniram testemunhos, citações e fragmentos de papiros descobertos nos últimos séculos. As edições mais antigas, como as de Meineke (Berlim, 1839/1857), Bothe (Paris, 1955), Kock (Leipzig, 1880/1888) e Edmonds (Leiden, 1957/1961) foram suplantadas pela moderna edição de Kassel e Austin (1983-   ) de todos os fragmentos cômicos.

Até onde sei, a única tradução de Timocles para o português é o fragmento que disponibilizei em Passagens selecionadas.

leia mais