Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Bons e maus retornos

 
Morte de Agamêmnon

Nenhum dos heróis gregos chegou à sua casa, depois da Guerra de Troia, sem passar por algumas dificuldades. Os mais felizes foram o velho Nestor que, após enfrentar algumas tempestades, chegou a Pilos são e salvo; Neoptólemo, que regressou por terra à Ftia; e Filoctetes, que teve um regresso tranquilo à Magnésia.

Polipetes, Leonteu, Podalírio e o adivinho Calcas, após uma tempestade, chegaram a Cólofon, na Ásia Menor. Calcas faleceu pouco depois, de morte natural, sem ter visto novamente a Grécia; Podalírio, filho de Asclépio, conseguiu rever terra natal, mas preferiu retornar e se estabeler na Cária[1]; Polipetes e Leonteu conseguiram, aparentemente, retornar à Tessália.

A volta de Menelau (gr. Μενέλεως) foi atribulada. Ao se aproximar da Eubeia, violenta tempestade jogou seus navios em Creta, onde muitos deles encalharam. As naus restantes lograram chegar ao Egito, onde Menelau permaneceu um certo tempo por causa de uma calmaria; segundo a maioria das versões, demorou sete ou oito anos para conseguir retornar a Esparta, coberto de riquezas. Na versão mais corrente, Menelau e Helena conseguiram sair do Egito graças à ajuda de Proteu.

Retornos infelizes

O retorno de Agamêmnon (gr. Ἀγαμέμνων), irmão de Menelau e chefe da coalização grega, foi um dos mais infelizes. Durante a guerra, sua esposa Clitemnestra associou-se a Egisto, seu grande inimigo, e ambos o assassinaram traiçoeiramente no dia de seu regresso.

Ájax “o Menor” (gr. Αἴας), filho de Oileu, também não se deu bem. Naufragou perto de Míconos, uma das ilhas Cíclades, e morreu afogado quando Posídon destruiu o rochedo no qual se refugiara.

Diomedes (gr. Διομήδης) regressou a Argos sem incidentes, de acordo com as tradições mais antigas (Od. 3.180-190). Outras versões referem, no entanto, que os deuses haviam reservado aos dois diversas infelicidades. Egíale, esposa de Diomedes, havia sido infiel durante a longa ausência do marido e, ao regressar, por pouco Diomedes não morreu nas armadilhas preparadas por Egíale e seus amantes. O herói teve que fugir de Argos e se estabelecer no sul da península italiana, onde teria fundado várias cidades.

Idomeneu (gr. Ἰδομενεύς) teria também retornado a Creta sem problemas (Od. 3.191-2); versões muito tardias contam, porém, que para escapar de violenta tempestade, prometeu sacrificar a Posídon o primeiro ser humano que encontrasse em seu reino; ao desembacarcar, seu filho (ou filha) foi recebê-lo e ele teve que cumprir a promessa.

O arqueiro Teucro (gr. Τεῦκρος), irmão de Ájax, “o Maior”, que se suicidara durante o último ano da guerra, retornou a Salamina mas foi mal recebido pelo pai, Télamon, que acusou-o de não ter ajudado o irmão quando mais precisava dele. Teucro emigrou então para Chipre, onde fundou a cidade de Salamina; segundo outras versões, estabeleceu-se ao sul da península ibérica.

Influências

A volta de Agamêmnon e de Menelau inspirou diversos poetas trágicos, notadamente Ésquilo (Agamêmnon), Sófocles (Electra) e Eurípides (Electra, Helena), além dos trágicos minores e dos poetas cômicos dos séculos -V e -IV.

A de Idomeneu serviu de base para óperas de André Campra (1712) e de Mozart (1781), esta última tão modificada por Richard Strauss em 1931 que pode ser quase considerada uma terceira ópera.

Notas

  1. A Cária (gr. Καρία) era uma região do sudoeste da Ásia Menor, perto da costa e ao sul da Lídia, onde se mesclaram gregos jônicos e dórios com os povos que lá viviam há séculos, os cários — e possivelmente também os leleges (gr. λέλεγες), se é que eram diferentes dos cários. As póleis mais conhecidas da região, que esteve sucessivamente sob o domínio dos lídios, dos persas, dos macedônios e dos romanos, eram Mileto, Halicarnasso e Cnido. Cauno (gr. Καῦνος) era uma das cidades dos cários, na fronteira com a Lícia.
    Imagem: Esboço de Wilson A. Ribeiro Jr., CC BY-NC-ND 4.0.

Créditos das ilustrações

i0046Morte de Agamêmnon → Ver comentários.

Imprenta

Artigo nº 0792
publicado em 21/11/2004.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Bons e maus retornos. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0792. Consulta: 17/08/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017