logo

Eurípides / Fragmentos trágicos

Área: literatura grega  |  590 palavras
Fragmenta Eur. F 1-1132
 
Eneu, Ágrio, Peribeia e Diomedes

Numerosas tragédias de Eurípides são conhecidas apenas através do título, de curtos resumos e/ou de fragmentos de extensão variável, alguns deles meras citações.

As tragédias

A produção dramática do poeta compreende, de acordo com o anônimo autor da Vida de Eurípides (i.a9 e i.b5), 92 dramas, dos quais apenas 78 eram conhecidos em sua época. Esse número corresponde, certamente, ao que sabemos sobre o cânone dos eruditos alexandrinos, estabelecido no século -III.

Confrontando os dados da Vida, das fontes bizantinas (Thomas Magister, fl. c. 1310; Suda, sæc. X) e das fontes primárias disponíveis, foi possível reconstituir satisfatoriamente a lista de 78 dramas euripidianos existentes na Biblioteca de Alexandria ou, pelo menos, dos dramas conhecidos pelos estudiosos nessa época.

Alguns dramas mencionados em fontes antigas puderam ser acrescentados a essa lista pelos eruditos modernos, totalizando assim pelo menos 84 dramas euripidianos conhecidos, 74 tragédias e dez dramas satíricos. Se subtrairmos dessa lista os dramas satíricos (ver sinopse) e as 17 tragédias completas, existem então pelo menos 57 tragédias fragmentárias...

Alcmena, Zeus e Anfitrião

Os fragmentos conhecidos provêm de citações de outros autores, escólios, pedaços de papiro e transcrições parciais de algumas tragédias em manuscritos danificados. Ocasionalmente, cenas de vasos ajudam a compor alguma cena mal definida e contribuem para o “quebra-cabeça.

E muitos fragmentos vêm apenas com a informação de que são de Eurípides, mas sem indicação da tragédia à qual pertencem, como por exemplo o Eur. F 929b Kannicht.

Mini-catálogo

Algumas tragédias são razoavelmente bem conhecidas, graças ao número de fragmentos, aos argumentos parciais e aos testemunhos doxográficos. Do Télefo, do Faetonte e da Antíope, por exemplo, sabemos muita coisa. Mas pequena parte das tragédias euripidianas fragmentárias têm quantidade suficiente de versos para reconstituirmos a estrutura dramática e/ou o enredo, e delas sabemos mais sobre a lenda que inspirou o enredo trágico do que sobre a tragédia propriamente dita.

A revocação de Filoctetes

As Cretenses, por exemplo, dramatiza o mito das filhas de Catreu, rei de Creta, uma das quais desposou Atreu, filho de Pélops; Alcmeon em Psófis relata um episódio posterior ao ataque dos Sete Contra Tebas e aos Epígonos. Como no mito de Orestes, Alcmeon é perseguido pelas Erínias depois de matar a mãe por ordem dos deuses.

Algumas das menos incompletas tragédias da lista dos eruditos alexandrinos são: Alexandre, Andrômeda, Antíope, Belerofonte, Cresfonte, Cretenses, Erecteu, Estenebeia, Faetonte, Filoctetes, Hipólito I, Hipsípile, Melanipe (M. a sábia e M. Cativa), Télefo e Fênix.

Os textos

Sinopses

Por enquanto, no Portal há informações mais detalhadas apenas sobre uma delas:

Edições e traduções

Dado o caráter fragmentário, não há manuscritos específicos com essas tragédias, mas as citações e fragmentos papiráceos são relativamente abundantes. Alguns dos fragmentos de Eurípides foram coletados pela primeira vez por Dirk Canter, entre 1570 e 1580, mas a primeira publicação (parcial) é a de Joshua Barnes (1694).

Papiro com fragmento de Eurípides

Várias outras coletâneas culminaram na edição padrão moderna de Richard Kannicht, em dois volumes (TrGF 5.1 e 5.2), com todos os fragmentos. Excelentes edições completas são também as de François Jouan e Herman Van Looy (Paris, 2002-2003, 4 v.), e a de Christopher Collard e Martin Cropp (Loeb, 2008, 2 v.).

Não há, em português, nenhum panorama dos fragmentos de Eurípides. Efetuei, porém, estudo específico de 24 tragédias fragmentárias e traduzi alguns trechos para minha Tese de Doutorado (Ribeiro Jr., 2011). Publiquei também um estudo do Belerofonte e Clara Crepaldi (2016) já traduziu os fragmentos da Andrômeda.

Espero, em breve, publicar estudos e traduções de outras tragédias incompletas.