Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Mitologia e medicina

Morbos ... ad iram deorum immortalium relatos esse.
Celso, Med. Proem. 4

As doenças ... eram atribuídas à ira dos deuses imortais.

 
 
Héracles contra as doenças

Até o advento dos filósofos da natureza, tanto a causa como a cura da doença eram atribuídas às divindades. Esse conceito já está presente nas obras de Homero e de Hesíodo, criadores dos mais antigos textos literários gregos conhecidos.

A capacidade de curar era um dos atributos sobrenaturais de muitos deuses, embora a cura fosse um dos atributos tradicionais de Apolo. Apenas três divindades, no entanto, eram especificamente dotadas do poder de cura: Pean, Quíron e Asclépio. O primeiro, Pean, era o médico dos deuses; já os outros dois atuavam junto aos mortais.

Os primeiros médicos a sair da esfera divina estavam, ainda, a uma certa distância dos seres humanos, pois faziam parte do nível intermediário dos heróis ou semideuses[1]. Os médicos homéricos, que encontramos notadamente na Ilíada, escrita entre -750 e -725, são os mais antigos. Incidentalmente, Homero ilustra como deve ter sido a prática médica durante a Idade das Trevas e, talvez, até antes.

Finalmente, uma palavra a respeito da música. Museu era capaz de curar os doentes com sua música, embora não se mencione nenhum episódio em especial; essa tradição foi conservada, por exemplo, pelo poeta Aristófanes na comédia As Rãs (Ar. Ra. 1033). Note-se que, nesse caso, não se trata de um médico lendário, mas de um mito sobre o poder terapêutico da música.

Curiosamente, a medicina moderna comprovou que alguns tipos de música têm, efetivamente, efeito benéfico nas dores e em outros problemas de saúde (Todres, 2006).

Notas

  1. Herói (gr. ἥρως) e heroon (gr. ἡρῶιον) são palavras de mesmo radical. Os heróis, na mitologia grega, eram os filhos de um deus e uma mortal, ou de uma deusa e um mortal — semideuses, portanto, capazes de façanhas sobre-humanas. Os heróis não eram imortais como os deuses, mas eram igualmente cultuados (embora nem todos tivessem ascendência reconhecidamente divina) em um templo chamado, pelos especialistas, de heroon. Mais informações → Mitos heroicos.

Referências

I. David Todres, Música é remédio para o coração, Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, 82(3):166-8, 2006 [disponível on-line]

Créditos das ilustrações

i0943Héracles contra as doenças → Ver comentários.

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0694
publicado em 19/02/2000. Atualização: 14/05/2006.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Mitologia e medicina. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0694. Consulta: 28/05/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017