Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Aríon de Metimna

 
Hoplitas cavalgando golfinhos

O citaredo Aríon de Metimna (gr. Ἀρίων) pode ter sido personagem histórico que floresceu por volta de -600. Nada se sabe de concreto sobre sua vida e sobre sua produção musical, a não ser que nasceu na ilha de Lesbos e viveu em Corinto na época do tirano Periandro (-627/-584), um dos sete sábios da Grécia.

Aríon tocava a cítara como ninguém e, segundo a tradição, inventou o ditirambo e o nome "ditirambo" quando estava em Corinto (Hdt. 1.23). Um hino a Posídon, atribuído a Aríon, chegou até nós; para Donaldson (1854), no entanto, ele é obra de um poeta tardio, anônimo, que por alguma razão quis atribuí-lo a Aríon.

O único episódio que conhecemos sobre sua vida, anedótico e totalmente lendário, foi conservado por Heródoto (1.24). Voltando a Corinto após uma viagem pela Magna Grécia, Aríon sonhou que o deus Apolo o alertava contra seus inimigos e lhe prometia ajuda. No dia seguinte, com efeito, os marinheiros do navio que o levava decidiram matá-lo e roubar todo o seu dinheiro; mas permitiram que Aríon cantasse pela última vez. Ao som de seu canto, diversos golfinhos, animais consagrados a Apolo, acorreram para ouvir e o músico, então, se lançou ao mar. Aríon foi recolhido pelos golfinhos e levado em segurança, nas costas de um deles, até o cabo Tênaro, na Lacônia, de onde chegou a Corinto. Mais tarde, quando o navio aportou na cidade, os marinheiros foram castigados e mortos por ordem de Periandro.

O episódio tem evidentes paralelos com o mito de Dioniso, que também escapou de um navio pirata e tranformou os piratas em golfinhos (h. Bacch.). Incidentalmente, lembremos que o ditirambo é um gênero literário consagrado a Dioniso.

Representações e literatura

Há várias representações de homens cavalgando golfinhos na cerâmica grega e em outros suportes que lembram, provavelmente, esse mito.

O mito de Aríon inspirou uma cantata (moteto para uma e duas vozes) do compositor barroco André Campra (1660/1744), um poema de Aleksandr Pushkin (1799/1837) e uma ópera de Vikram Seth e Alec Roth (1994).

Referências

James Donaldson, Specimens of the greek lyric poets, Edinburgh, Sutherland and Knox, 1854, p. 205.

Créditos das ilustrações

i0525Hoplitas cavalgando golfinhos → Ver comentários.

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0689
publicado em 30/08/1999.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Aríon de Metimna. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0689. Consulta: 27/03/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 25/03/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017