Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Eurípides / Medeia 446-91

TRADUÇÃO

Medeia, diante de Jasão, mostra-se exasperada e encolerizada com a traição do marido, e lhe recorda o auxílio prestado durante a busca do Velo de Ouro.

A tradução é de JAAT, professor de Língua e Literatura Grega da FFLCH-USP, que gentilmente autorizou a reprodução da passagem nesta página.

JASÃO Não agora primeiro vi, mas muitas vezes, que áspero ardor é incombatível mal. Quando podias habitar esta terra e palácio, levando leve as vontades dos mais poderosos, 450 serás expulsa do país por palavras infelizes. A mim não me importas, não cesses nunca de dizer que Jasão é o pior dos homens, mas quanto ao dito por ti dos tiranos, crê que só te lucra a pena do exílio. 455 Eu extinguia ardores de furiosos reis e queria também a tua permanência, mas tu não folga loucuras, sempre a dizer mal dos tiranos, serás banida do país. Contudo, sem renunciar aos amigos por isso, 460 venho e cuido do teu interesse, ó mulher: que não te expulsem indigente com os filhos, nem carente de nada. O exílio arrasta muitos males consigo. Ainda que tu me odeies, eu não poderia jamais querer-te mal. MEDEIA 465 Ó pior perverso, posso este máximo mal dizer-te com a língua por desombridade. Vieste ante nós, vieste tu o mais odioso [aos Deuses, a mim e a todo o gênero humano]? Não é audácia isto, nem bravura, 470 fazer mal a amigos e olhar de frente, mas a pior dentre todas as doenças humanas, a impudência. Bem fizeste ao vires eu aliviarei a alma a maldizer-te e assim tu te magoarás, se ouvires. 475 Primeiro dos primeiros principio a dizer. Salvei-te, como sabem quantos gregos embarcaram no mesmo barco Argo, a ti, enviado para dominar com laços touros ignívomos e semear lavoura mortífera. 480 Matei a víbora que envolvia o velo de ouro e que insone guardava-o nos muitos anéis e assim te ofereci a luz salvífica. Traidora de meu pai e de meu palácio cheguei à Iolco do monte Pélion 485 contigo, mais por paixão que por saber. Pélias matei como mais dói ser morto: pelas filhas dele, todo o palácio destruí. Assim tratado por nós, ó pior dos homens, traíste-nos e contrairás novas núpcias, 490 depois dos filhos. Se fosses sem filho ainda, seria compreensível tua paixão por núpcias. Das juras a fé se foi, nem posso perceber se crês que Deuses enfim não valem mais, ou novas leis vigem entre homens agora, já que és consciente de que me és perjuro. 495 Pheû! Destra que muitas vezes apertaste, e por estes joelhos quão em vão fomos tocadas por homem vil e frustramos esperanças.
TEXTO GREGO
a

Referências

Jaa Torrano, Eurípides. Medéia. São Paulo, HUCITEC, 1991.

Imprenta

Artigo nº 0493
publicado em 17/10/2003.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Eurípides / Medeia 446-91. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0493. Consulta: 23/08/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017