Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

O rei de Alasiia escreve ao Faraó

Trechos de uma das cartas escritas em acadiano, uma das línguas da Mesopotâmia da Idade do Bronze, por um rei de Chipre (Alasiia) ao faraó egípcio — Amenófis III ou Amenófis IV.
 
 
Carta enviada pelo rei de Alasiia ao Faraó

O texto, encontrado nos arquivos egípcios descobertos em 1887 em Tel el-Amarna, Egito, foi gravado com caracteres cuneiformes em uma tabuinha de argila conservada atualmente em Londres, no Museu Britânico. A sigla tradicional da carta é EA 35.

A tradução desta passagem (linhas 1-34) para o inglês é de Samuel A.B. Mercer (1939) e de K.C. Hanson; eu mesmo fiz a versão do inglês para o português.

Fala ao Rei do Egito, meu irmão:

Assim fala o Rei de Alasiia, seu irmão. Tudo vai bem comigo. Minhas casas, minha esposa, meus filhos, meus homens, meus cavalos, minhas carruagens, minhas terras vão bem. E que com meu irmão tudo esteja bem. Que suas casas, sua esposa, seus filhos, seus homens, seus cavalos, suas carruagens, suas terras estejam muito bem. Meu irmão, observe que eu mandei meu mensageiro com seu mensageiro a você, no Egito. Mandei agora 500 talentos de cobre para você; eu mandei a você como um presente para meu irmão. Que o meu irmão não fique aflito que a quantidade de cobre é muito pequena, pois em minha terra a mão de Nergal[1], meu senhor, matou todos os homens de minha terra, e assim não há um só trabalhador do cobre. Portanto, que o meu irmão não fique aflito. Mande seu mensageiro junto com meu mensageiro rapidamente e todo o cobre que você deseja eu lhe mandarei, meu irmão. Você é meu irmão; você deve me mandar prata, meu irmão, em grande quantidade. Dê-me a melhor prata, então eu lhe mandarei, meu irmão, tudo o que você, meu irmão, pede.

Ademais, meu irmão, o boi que meu mensageiro pediu mande para mim, meu irmão. E que meu irmão mande óleo doce para mim, meu irmão: dois recipientes; mande para mim um especialista em augúrios. Ademais, meu irmão, o povo da minha terra me fala a respeito da madeira que o Rei do Egito recebe de mim. Assim, meu irmão, faça o pagamento a mim. Ademais, um homem de Alasiia morreu no Egito, e suas possessões estão em sua terra, mas seu filho e sua esposa estão comigo. Que meu irmão, portanto, cuide dos negócios do homem de Alasiia, e dê na mão do meu mensageiro, meu irmão (...)

Notas

  1. Nergal (sumeriano dGÌR-UNUG-GAL) era uma divinidade mesopotâmica associada à guerra e à pestilência, e mais tarde ao mundo subterrâneo; atribuía-se a ele a capacidade de provocar doenças.

Referências

Samuel A.B. Mercer, The Tell El-Amarna Tablets, 2 vols., Toronto, Macmillan, 1939. [disponível on line no site K.C. Hanson's Collection of Ancient Documents, Amarna Tablet 35, URL www.kchanson.com/ANCDOCS, consultado em dezembro de 2002]

Créditos das ilustrações

i1079Carta enviada pelo rei de Alasiia ao Faraó → Ver comentários.

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0454
publicado em 15/12/2002.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. O rei de Alasiia escreve ao Faraó. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0454. Consulta: 30/04/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 25/03/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017