Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

A guerra de Troia

 
O sacrifício de Ifigênia

Menelau, avisado por Íris a respeito do rapto de Helena, voltou rapidamente de Creta e recorreu ao seu poderoso irmão, Agamêmnon, que convocou todos os antigos pretendentes.

Falha a diplomacia

Resolveu-se, inicialmente, tentar a recuperação de Helena (e dos tesouros que ela havia levado, é claro) por via diplomática. O próprio Menelau e Odisseu (gr. Ὀδυσσεύς), rei de Ítaca, se dirigiram a Troia na qualidade de embaixadores. Em algumas versões, Palamedes, primo de Menelau e filho de Náuplio, um dos argonautas, também participou da embaixada.

Em Troia, os embaixadores foram bem recebidos por Antenor, ancião troiano que tinha laços de amizade com alguns reis gregos. Introduzidos na assembleia troiana, Odisseu e Menelau apresentaram sua petição; os troianos, porém, rechaçaram-na e a guerra se tornou inevitável.

A primeira expedição

A maioria dos reis gregos — ou seus poderosos filhos — ligados a Menelau pelo juramento dos pretendentes reuniu-se em Áulis, na Beócia. Agamêmnon, rei de Micenas, foi escolhido comandante-em-chefe das forças gregas.

As forças gregas se dirigiram para a Ásia Menor e desembarcaram, por engano, na Mísia. Enfrentados e rechaçados por Télefo, os gregos se dispersaram e tiveram que voltar para a Grécia. Télefo, porém, havia sido ferido por Aquiles durante a luta e sofria intensamente por causa do ferimento, que nunca cicatrizava; consultado, o Oráculo de Apolo em Pátaros, Lícia, predisse que "somente quem ferira poderia curar". Graças a isso, os gregos conseguiriam preparar uma segunda expedição.

A segunda expedição

Na Grécia, os reis estavam tentando novamente se organizar e alguns dos principais heróis estavam reunidos no palácio de Agamênon. Télefo dirigiu-se para lá, conseguiu entrar no palácio e, tomando como refém o pequeno Orestes, filho de Agamêmon e de Clitemnestra, conseguiu ser ouvido pelos inimigos; na famosa versão de Eurípides, Télefo se disfarçou de mendigo para conseguir entrar. Em troca da cura, Télefo prontificou-se a ensinar aos gregos o caminho correto para Troia e a permanecer neutro durante o conflito. Aquiles curou a ferida, colocando nela um pouco da ferrugem de sua lança, e Télefo cumpriu sua promessa.

Segundo a tradição, os gregos conseguiram se reunir novamente em Áulis oito ou dez anos depois da primeira expedição; uma expressiva calmaria, porém, impedia a saída dos navios. O adivinho Calcas (gr. Κάλκας) atribuiu o problema à cólera de Ártemis, ofendida porque Agamêmnon teria flechado uma corça dedicada a ela ou por outra razão qualquer, e disse que a deusa exigia o sacrifício de Ifigênia (gr. Ἰφιγένεια), a filha mais velha de Agamênon. O rei, pressionado pelas circunstâncias, teve que concordar e, logo depois do sacrifício, os navios gregos puderam finalmente velejar rumo à cidade de Troia, que tinha fama de inexpugnável.

Além dos dois atridas, Agamêmnon (de Micenas) e Menelau (da Lacedemônia), os mais importantes guerreiros gregos que embarcaram para Troia foram: Ájax "o menor", filho de Oileu (Lócrida); Ájax "o maior", filho de Télamon (Salamina); Diomedes, filho de Tideu (Argos); Nestor, filho de Neleu (Pilos); Palamedes, filho de Náuplio (Náuplio); Odisseu, filho de Laerte (Ítaca); Idomeneu, filho de Deucalião (Creta); Tlepólemo, filho de Héracles (Rodes); Aquiles, filho de Peleu e seu grande amigo Pátroclo, filho de Menécio (Ftia); Protesilau, filho de Íficlo (Tessália); Êumelo, filho de Admeto (Feras); Filoctetes, filho de Peas (Magnésia); e Macáon, filho de Asclépio (Trica).

Odisseu e Aquiles

Consta que não foi fácil recrutar o engenhoso Odisseu (gr. Ὀδυσσεύς), inclinado a não se ausentar de Ítaca, e Aquiles, escondido pelo pai, Peleu, na ilha de Squiros. Abordado, Odisseu fingiu loucura, manobrando um arado na areia e semeando sal, mas foi engenhosamente desmascarado por Palamedes, que colocou Telêmaco, o recém-nascido filho de Odisseu, na frente do arado.

Embora recrutado a contragosto, Odisseu acabou por aderir à expedição e empenhou-se em conseguir a ajuda de Aquiles. Depois de investigar um pouco, disfarçou-se de mercador e, auxiliado por Diomedes, foi a Squiros oferecer artigos femininos às mulheres do palácio real. Colocou discretamente uma espada e um escudo no meio das mercadorias e Diomedes, escondido, fez soar uma trombeta com o toque "inimigo à vista". Todas as mulheres do gineceu fugiram imediatamente, em polvorosa — menos uma, que empunhou a espada e o escudo com firmeza e aguardou friamente a chegada dos inimigos...

A mãe de Aquiles, Tétis, havia profetizado que, se fosse a Troia, ele morreria na empreitada mas atingiria glória imortal; se não fosse, teria vida anônima mas longa. Consta que Odisseu não precisou se esforçar muito para persuadir Aquiles; o jovem decidiu-se, sem hesitar, pela vida curta mas gloriosa.

Iconografia

Desses mitos, os temas a que os artistas gregos recorreram mais frequentemente foram a visita de Télefo a Argos e a estada da segunda expedição em Áulis, notadamente a famosa cena do jogo de tabuleiro entre Ájax e Aquiles e o sacrifício de Ifigênia.

Outras iluminuras

 
Embaixadores gregos em Troia.
Cidade do Vaticano, Museus Vaticanos
 
Megaron do palácio de Micenas.
In situ
 
Aquiles e Ájax jogando I.
Cidade do Vaticano, Museus Vaticanos
 
Aquiles na corte de Licomedes.

Créditos das ilustrações

i0003O sacrifício de Ifigênia → Ver comentários.
i0352Embaixadores gregos em Troia → Ver comentários.
i0335Megaron do palácio de Micenas → Ver comentários.
i0365Aquiles e Ájax jogando I → Ver comentários.
i0756Aquiles na corte de Licomedes → Ver comentários.

Imprenta

Artigo nº 0449
publicado em 27/11/2002. Atualização: 10/06/2004.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. A guerra de Troia. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0449. Consulta: 24/04/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 25/03/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017