logo

Eurípides / Electra 54-66

E. El. 54-66 -413
grver
texto original

No trecho selecionado, parte do Prólogo, Electra lamenta sua terrível situação atual perante o marido, um camponês simples e trabalhador.

ELECTRA  Ó noite negra, alimento de estrelas de ouro,  com este vaso que carrego sobre a cabeça  vou buscar água no rio,  não que uma necessidade tenha levado a isso,  mas para mostrar a insolência de Egisto aos deuses  e lançar ao vasto éter os lamentos por meu pai.  Pois a funesta filha de Tíndaro, minha mãe,  expulsou-me de casa para agradar a Egisto;  como teve outros filhos com ele,  para ela Orestes e eu estamos a mais na casa. TRABALHADOR  Porque, ó desafortunada, fatiga-se por minha causa  com esses trabalhos, depois de ser criada na opulência,  e não deixa de fazer isso, como estou dizendo?