Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Hiagnis, Mársias e Olimpo

 
Mársias e Atena

Os gregos situavam a invenção do aulos na Ásia Menor, mais exatamente na Frígia ou na Mísia. No plano mítico, os mais antigos auletas foram Hiagnis, Mársias e Olimpo. A genealogia e o relacionamente entre os três é um tanto confusa, mas as versões mais aceitas sustentam que Hiagnis era pai de Mársias, e que Olimpo foi discípulo de Mársias. O Pseudo-Plutarco (Mus. 1132f) menciona-os nessa ordem.

De Hiagnis (gr. Ὕαγνις) conhecemos, praticamente, apenas o nome e sua associação com o aulos e a Frígia (Aristox. Fr. 78). Ele foi, segundo algumas tradições, o primeiro a dominar a aulética (Plu. Mus. 1133e), a arte da música para o aulos.

Olimpo (gr. Ὄλυμπος), discípulo de Mársias, era nativo da Mísia e teria vivido pouco antes da guerra de Troia. A ele eram atribuídas melodias associadas ao culto de alguns deuses, tão antigas que sua origem verdadeira se perdeu.

Mársias (gr. Μαρσύας), filho de Hiagnis, às vezes é considerado um sátiro, às vezes um simples camponês da Frígia, e devoto da deusa Cibele[1]. Seu nome está associado a duas lendas, a da invenção do aulos e à disputa musical com Apolo.

Segundo o primeiro mito, foi a deusa Atena quem, na realidade, fabricou o primeiro aulos, unindo dois ossos ocos de veado. Ao soprá-lo, porém, viu seu reflexo na água de um rio, desgostou-se com o aspecto de seu rosto e jogou-o fora de imediato. Posteriomente, Mársias achou esse instrumento e, encantado com os sons que ele produzia, tornou-se um grande virtuose e, tomado pela ὕβρις (‘desmedida’), desafiou Apolo e sua lira (ou cítara). As musas julgaram a disputa e concederam a vitória a Apolo, que então pendurou Mársias em uma árvore e depois esfolou-o vivo, para castigá-lo pela pretensão.

Xenofonte (Anab. 1.2.8-9) afirmou que a disputa ocorreu na Frígia, em Kelainai, onde nasce um rio chamado Mársias, que deságua posteriormente no rio Meandro. Segundo Heródoto (7.26), a pele esfolada de Mársias podia ser vista ainda nos tempos históricos.

Esse mito reflete, possivelmente, a pretensa superioridade da arte citarédica, mais harmônica e associada ao culto de Apolo e à Grécia, sobre a aulética, mais agitada e associada à Frígia e aos rituais frenéticos de Cibele. Outra possível interpretação: Mársias era uma antiga divindade ligada à música, suplantada pelos novos deuses indo-europeus, aqui representados por Apolo.

Fontes e literatura

Principais fontes:

  1. Hiagnis: Pseudo-Plutarco (Mus. 1132f-1135f)
  2. Mársias: Heródoto (7.26), Pseudo-Apolodoro (1.4.2), Diodoro Sículo (3.59), Pausânias (2.22.9), Pseudo-Plutarco (Mus. 1132f-1135f), Filóstrato, o Jovem (Im. 865.5)
  3. Olimpo: Platão (Smp. 215c)

Na literatura moderna, a disputa entre Apolo e Mársias inspirou poemas de James Merrill (1959), Zbigniew Herbert (1924/1998) e Nadine Sabra Meyer (2002), e uma peça teatral de Tony Harrison (The Trackers of Oxyrhynchus, 1988).

Iconografia

Mársias era ocasionalmente representado em atitude de surpresa, ao encontrar o aulos abandonado por Atena, ou sentado, tocando o aulos. O aulos encontrado foi tema, pelo menos, de uma pintura de Zêuxis, perdida, e de um grupo de bronze de Míron, que chegou até nós através de cópias romanas de mármore.

Mársias pendurado e esfolado foi um tema muito usado pelos escultores, notadamente durante o Período Helenístico. Em Roma, havia uma dessas esculturas no forum (Hor. Sat. 1.6.120), talvez para desencorajar os que pretendiam atentar contra a harmonia política do estado romano — mas, curiosamente, era bem ali que as cortesãs romanas costumavam ficar... (Plin. HN 21.3)

Olimpo aparecia às vezes ao lado de Mársias, ou como um menino sendo instruído ou, ao lado do mestre esfolado, lamentando seu triste destino.

Outras iluminuras

 
Mársias aguarda o suplício.
 
Olimpo e Mársias.
Coleção particular

Notas

  1. Ver monografia sobre a titânide Reia.

Créditos das ilustrações

i0308Mársias e Atena → Ver comentários.
i0904Mársias aguarda o suplício → Ver comentários.
i1106Olimpo e Mársias → Ver comentários.

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0193
publicado em 30/08/1999. Atualização: 24/03/2008.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Hiagnis, Mársias e Olimpo. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0193. Consulta: 27/03/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 25/03/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017