Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Hesíodo / Teogonia 126-38

TRADUÇÃO

A passagem (126-38) ilustra a sequência da cosmogonia grega a partir de Urano, o céu, e de Gaia, a terra, na visão de Hesíodo.

E Gaia certamente deu origem primeiro ao estrelado Urano igual a si mesma, para circundá-la em toda sua volta e ser para os deuses bem-aventurados morada imutável e eterna. E deu origem a grandes Montanhas, agradáveis lugares para as divinas 130 Ninfas que moram no alto, em vales arborizados das montanhas. E originou também a infecunda vastidão que se eleva em vagas, Pontos, sem o desejável ato de amor. Mas depois, tendo se deitado com Urano, deu à luz Oceano, de profundos turbilhões, Ceos, Crio, Hipérion e Jápeto; 135 Teia, Reia, Têmis e Mnemósine; Febe de dourada coroa e a amável Tétis. E depois deles o mais jovem, Crono de mente tortuosa, o mais terrível dos filhos; e ele odiou o vigoroso pai.
TEXTO GREGO
a

Imprenta

Artigo nº 0086
publicado em 27/12/1998.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Hesíodo / Teogonia 126-38. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0086. Consulta: 23/07/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017