Græcia Antiqua INTRODUÇÃOARTECIÊNCIASFILOSOFIAGEOGRAFIAHISTÓRIALÍNGUALITERATURAMITOLOGIAMÚSICARELIGIÃO

Dânae, Acrísio e o jovem Perseu

οὐδ' ὅτε περ Δανάης καλλισφύρου Ἀκρισιώνης,
ἣ τέκε Περσῆα πάντων ἀριδείκετον ἀνδρῶν·.
Ilíada 14.319-20

... nem por Dânae de belos tornozelos, a filha de Acrísio
que deu à luz Perseu, o mais notável de todos os homens.

 
 
Dânae e a chuva de ouro I

Muito tempo depois que greias e górgonas começaram a existir, Zeus gerou, na Argólida, um filho que iria influenciar decisivamente a existência das filhas de Fórcis e também a de uma princesa da longínqua Etiópia.

A filha de Acrísio

Acrísio (gr. Ἀκρίσιος), neto da danaide Hipermnestra, reinava em Argos, na Argólida, e tinha somente filhas, Evarete e Dânae (gr. Δανάη). Sem filhos homens a quem legar o trono, consultou o oráculo de Delfos e foi avisado pelo deus que sua filha Dânae lhe daria um neto que o mataria. Para fugir ao destino trancou a filha em uma câmara subterrânea de bronze (ou numa torre, conforme a versão) e manteve-a sob estrita vigilância.

Zeus, porém, havia se apaixonado pela moça e, acostumado a enganar a própria Hera, não teve qualquer dificuldade em ludibriar Acrísio. Transformou-se em uma chuva de ouro e, através de uma fenda, entrou no quarto de Dânae.

No tempo certo Dânae deu à luz um filho, a quem chamou de Perseu. Criou-o secretamente na própria câmara de bronze com a cumplicidade de sua velha ama, mas Acrísio acabou descobrindo a existência da criança. O rei não acreditou na paternidade divina, mandou executar a ama, colocou mãe e filho em uma arca de madeira e lançou-os ao mar.

Dânae e Perseu em Sérifos

Algum tempo depois a arca atingiu a ilha de Sérifos e naufragou. Mãe e filho foram acolhidos com bondade e protegidos pelo pescador Díctis, irmão do rei da ilha. Perseu cresceu e viveu tranquilamente em Sérifos até o fim da adolescência, quando o rei, Polidectes, apaixonou-se por Dânae e começou a pensar em algum jeito de se livrar do rapaz.

E a oportunidade iria surgir, certo dia, por ocasião de um banquete no palácio real. Em certo momento, os convidados ofereceram ricos presentes ao rei Polidectes; o jovem Perseu, que vivia pobremente e já estava um pouco bêbado, ofereceu impetuosamente a cabeça de Medusa, a mais perigosa das górgonas. O rei aproveitou a oportunidade e aceitou o presente de imediato.

Assim, Perseu acordou, no dia seguinte, com um problema e tanto: encontrar e matar um dos mais poderosos e perigosos monstros existentes.

Iconografia

A chuva de ouro sobre Dânae e Dânae com o bebê Perseu na arca de madeira foram representados diversas vezes pelos antigos decoradores de vasos de cerâmica.

Outras iluminuras

 
Acrísio, Dânae e Perseu.

Créditos das ilustrações

i0662Dânae e a chuva de ouro I → Ver comentários.
i0220Acrísio, Dânae e Perseu → Ver comentários.

Em outras partes do Portal

Links externos

Imprenta

Artigo nº 0081
publicado em 06/12/1998.
Licença: CC BY-NC-ND 4.0
Como citar esta página:
RIBEIRO JR., W.A. Dânae, Acrísio e o jovem Perseu. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. URL: greciantiga.org/arquivo.asp?num=0081. Consulta: 22/06/2017.
 
Portal Grécia Antiga ISBN 1679-5709 On-line desde 04/11/1997 f   t   i   i Sobre o Portal Ajuda FAQs Mapa do site Termos de uso 30/04/2017 ← novidades Contato Outras páginas do autor
 Wilson A. Ribeiro Jr., 1997-2017